terça-feira, 22 de maio de 2018

Inep abre cadastro de diretores escolares para acesso aos resultados preliminares do Saeb 2017

As escolas que participaram do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) 2017 já podem se cadastrar para conhecer seus resultados preliminares na avaliação. A partir desta segunda-feira, 21 de maio, todos os diretores ou responsáveis legais das escolas podem acessar a plataforma e realizar seu cadastro on-line. Os resultados preliminares ficarão disponíveis em breve, mas apenas para aquelas escolas que realizarem corretamente o cadastro do diretor ou responsável legal. Caso haja alguma dúvida sobre esse procedimento, contate a equipe do INEP pelo e-mail provabrasil.resultados@inep.gov.br.
Em 2017, o Saeb avaliou todos os Sistemas de Ensino, com uma população-alvo de estudantes matriculados em cerca de 73 mil escolas. A novidade da edição foi a participação, de modo censitário, dos estudantes da 3ª série do Ensino Médio de escolas públicas. As escolas privadas também tiveram a oportunidade de serem avaliadas nessa etapa, mediante adesão. Prevê-se a divulgação pública dos resultados finais para agosto, por meio do Boletim da Escola e do Painel Educacional, ambos a serem disponibilizados no Portal do Inep. Em dezembro, estima-se que gestores educacionais e sociedade tenham acesso a Relatório com dados dos resultados dos testes e questionários aplicados.
Saeb – O Sistema de Avaliação da Educação Básica é uma pesquisa de larga escala que permite a avaliação da qualidade da educação ofertada no país, bem como fornece insumos para a elaboração, o monitoramento e o aprimoramento das políticas educacionais. Seu principal objetivo é realizar um diagnóstico da educação básica brasileira, a partir da aplicação de testes cognitivos nas áreas de Língua Portuguesa e Matemática que possibilitam aferir a proficiência nessas áreas, bem como, a partir da aplicação de questionários para os estudantes, professores, diretores e escola.
Clique aqui para acessar a plataforma de cadastro


portal.inep

sexta-feira, 11 de maio de 2018

“O problema não é o método de alfabetização, é alfabetizar sem método” – Entrevista com Magda Soares

Resumo


Magda Becker Soares é uma das maiores autoridades no Brasil na área de alfabetização e letramento. Professora titular emérita aposentada da Faculdade de Educação (FAE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Magda tem diversos livros publicados, sendo referência obrigatória para docentes e pesquisadores que trabalham com o tema do ensino e aprendizagem da leitura e da escrita. Em uma conversa descontraída, Magda aborda as motivações para a produção do livro, seu processo de escrita e pesquisa, suas experiências como consultora da rede municipal de educação do município de Lagoa Santa (MG), em que atua na formação de professores, sua visão sobre temas polêmicos relacionados à alfabetização e à história da alfabetização no Brasil, além de compartilhar um pouco de sua história de vida. 

CADERNOS CENPEC – Magda, e sobre essas polêmicas todas no Brasil hoje em relação aos gestores, particularmente aos gestores que se encantam com soluções mágicas que chegam para eles – o que você diria sobre isso? O que se poderia dizer às pessoas que formulam políticas para alfabetização e acreditam firmemente que um método vai resolver todos os problemas da alfabetização? O que você diria para que não pensem que o que você escreveu é um método?
MAGDA SOARES – Eu já não sei o que a gente tem de fazer neste país, viu? Adotam-se projetos e métodos por critérios outros que não o critério da fundamentação teórica. Nas situações em que eu aceitei falar para gestores, não abordei teorias. Sempre achei que o caminho era falar sobre o projeto de Lagoa Santa. E, com base no projeto, mostrar o que é alfabetizar por meio da comprovação pelos resultados. Então mostro como é o processo de aprendizagem da língua escrita e como agir para chegar ao sucesso, como trabalhamos e o que trabalhamos em cada situação. Mas confesso que ando muito decepcionada com os gestores neste país. Prefeitos, secretários de educação, MEC, que propõem a cada mandato projetos que não consideram o passado, que não consideram fundamentos em que o proposto se baseie. Intervenções, uma depois de outra, sem que se veja real avanço na qualidade do ensino e da aprendizagem. Não sei qual seria a solução. Estou convicta de que o caminho, embora longo, seja atuar sobre a formação inicial dos futuros alfabetizadores. O que se tem proposto como formação continuada tenta continuar uma formação que não existiu antes... continuar o quê? Mas isso significa mudar o currículo dos cursos de Pedagogia, o que se tem tentado ao longo de anos sem sucesso, ou então, quem sabe, ser criado um curso específico para formação de alfabetizadores.   

Texto completo:

cadernos.cenpec

Quais os desafios dos professores para incorporar as novas tecnologias no ensino

Da infraestrutura à formação docente, educadores contam o que precisa melhorar para que os recursos tecnológicos sejam integrados de forma efetiva em sala de aula
 
A incorporação das novas tecnologias no ensino tornou-se um dos principais debates da educação na atualidade. Robótica, jogos eletrônicos, inteligência artificial e realidade aumentada são apenas algumas das novidades que têm movimentado o mercado educacional e sido inseridas nas escolas, especialmente na rede privada.
Na realidade da sala de aula, porém, ainda há muita discussão sobre como integrar as novidades ao dia a dia escolar. Por mais que a desconfiança docente com relação ao uso das novas tecnologias venha diminuindo, ainda há muitos desafios para incorporar essas ferramentas de forma efetiva, contribuindo para a aprendizagem dos alunos.
Para compreender quais são esses obstáculos, Educação ouviu professores da educação básica, que falaram sobre o panorama da área e compartilharam suas experiências com o uso dos recursos tecnológicos em sala de aula. Entre as principais dificuldades apontadas pelos educadores está a formação docente insuficiente para a área.
“As novas tecnologias ajudam no aprendizado a partir do momento em que o professor se apropria desse conhecimento”, avalia Diego Trujillo, professor de inglês e coordenador de tecnologia no Colégio Ítalo. “Mas vejo que a formação ainda é carente. Há um desejo do professor de aprender, mas ele não sabe para onde ou como ir.”
Os números demonstram que a formação é mesmo um dos grandes desafios no que diz respeito ao uso da tecnologia. De acordo com a pesquisa TIC Educação 2016, do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), 54% dos professores não cursaram na graduação disciplina específica sobre como usar computador e internet em atividades com os alunos. Além disso, 70% não realizaram formação continuada sobre o tema no ano anterior ao levantamento. Dos que realizaram, 20% afirmaram que a capacitação “contribuiu muito” para a atualização na área.
Nesse cenário, a busca por novas formas de explorar os recursos tecnológicos acaba por depender da iniciativa do próprio professor. Na visão de Trujillo — que complementou sua formação com cursos de capacitação —, a própria escola pode ajudar a reverter o quadro oferecendo apoio ao docente. “É necessário que a equipe pedagógica tenha um especialista em tecnologia educacional. Esse é um novo profissional de extrema importância”, afirma.
Veja mais em revistaeducacao

quinta-feira, 10 de maio de 2018

SEDUC: Historiadora dedica vida a causa indígena, após imersão em aldeias das Américas

















Karina Aparecida Geraldo é jovem, mas aos 32 anos soma intensas vivências 
devido aocontato com mais de 35 grupos indígenas dentro e fora do Brasil. 
Desde muito cedo, enquanto ainda era estudante do curso de História na Unemat,
em Cáceres, se apaixonou pela diversidade das aldeias. Trancou o curso e foi 
viajar a América Latina, imergindo nas culturas da Colômbia, Venezuela, 
Argentina e Bolívia para ampliar seu conhecimento. Se encantou tanto pela 
Bolívia que desenvolveu pesquisa com o cenário social deste país e tratou sobre 
o nascimento do preconceito do camba contra os colha na região. Terminou a 
faculdade e passou a se dedicar cada vez mais as causas indigenistas. Sua 
especialização é em Educação das Relações Étnico-raciais no contexto da 
educação de jovens e adultos, com essa bagagem também atua no Cefapro, 
atualmente, com ênfase em cursos para professores da rede pública no município 
de Várzea Grande e toda baixada cuiabana, afim de ampliar o leque dos 
educadores para a diversidade, inclusive, no tratamento e escolaridade para 
indígenas. Ao todo, são 12 anos na trajetória contra o preconceito e pela 
causa de grupos em vários cantos do mundo.

Karina, como tudo começou? Como você se apaixonou pela causa 
indígena e porque se dedica a elas há tanto tempo?
Me apaixonei pelas questões indígenas quando ainda estava na Universidade 
(Unemat), que tem um viés indígena. Nesse processo eu tranquei o curso de 
história e fui dar uma volta pelas Américas e, por meio disso, eu tive contato com 
vários grupos, tanto na Bolívia, Colômbia, Venezuela, Argentina. O amor que fui 
criando foi ficando muito maior. Voltei a Cáceres, terminei o curso de História, 
e passei em um concurso público para Nova Xavantina. Quando cheguei lá, 
comecei a dar aula em uma escola que atendia um grande grupo de Xavantes. 
Como eu via que esse grupo era muito discriminado dentro da cidade e dentro 
das escolas que trabalhava, comecei então a desenvolver projetos para falar a 
respeito da cultura xavante A'wẽ Uptabi. Paralelamente comecei a desenvolver 
um projeto com uma amiga da mesma área, o Praça Viva Cinema Livre. Nesse 
projeto nós levávamos o cinema indígena pra dentro das praças públicas de 
Nova Xavantina. Desde então, comecei a ir mais ainda as aldeias, fiz vários 
trabalhos com os A'wẽ Uptabi, que é como eles se denominam.

"Ouço a reprodução de discursos 
ignorantes como “para quê índio 
quer terra?”, mas ninguém questiona 
o motivo pelo qual Blairo Maggi, 
sozinho, quer tanta terra".

Confira mais trechos da entrevista, 
clique RDNEWS .

quarta-feira, 9 de maio de 2018

ENEM 2018: Concluintes do ensino médio da rede pública não pagarão taxa de inscrição

Os estudantes da última série do ensino médio de escola da rede pública que não solicitaram a isenção de pagamento, em abril, terão a gratuidade automática ao se inscreverem no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018. Excepcionalmente, em função da mudança no formato, o MEC e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia vinculada à pasta, vão assegurar a gratuidade a esses concluintes. O período de inscrições vai até as 23h59 (horário de Brasília) de 18 de maio. Já o prazo para pagamento da taxa de inscrição é maior, terminando em 23 de maio. As provas estão marcadas para 4 e 11 de novembro.
Para esses participantes, não será gerada uma Guia de Recolhimento da União (GRU). A guia será paga apenas pelos candidatos que tiveram a solicitação de isenção da taxa reprovada pelo Inep, e pelos que não tinham direito à isenção e estão acessando o sistema pela primeira vez.
Inscrições – As inscrições do Enem são feitas exclusivamente pela internet, na Página do Participante, disponível no portal do Inep. Todos os interessados em fazer o exame devem se inscrever, mesmo os que já conseguiram a isenção.
Os estudantes que estão na última série do ensino médio, em escola da rede pública, e não solicitaram a isenção, devem passar pelo processo completo de inscrição. Já os concluintes que fizeram a solicitação previamente, conforme orientado, farão a inscrição simplificada.
Assessoria de Comunicação Social
mec

terça-feira, 8 de maio de 2018

Letramento midiático nos ajuda a conectar com o mundo

A educadora norte-americana Renee Hobbs defende que professores compreendam melhor como usar diferentes mídias em suas aulas para benefício dos alunos

Por: Soraia Yoshida

Renee Hobbs é uma formadora de formadores. Ao citar as experiências de seus alunos – graduandos e professores na Escola de Comunicação e Mídia Harrington na Universidade de Rhode Island, nos Estados Unidos – ela se entusiasma como se estivesse falando de crianças que estão aprendendo a ler e escrever. A diferença está no grau de complexidade: uma das tarefas que passou aos professores incluía assinalar e destacar os pontos principais de um texto, analisar o ponto de vista do autor e opinar sobre aquele assunto. Dissertação? Nada disso: três tweets de 280 caracteres, como manda a plataforma. “É um ótimo exercício para professores porque o Twitter te obriga a ser conciso, então te torna um comunicador melhor”, afirma Renee.

(...)

Em que ponto estamos hoje do processo de letramento midiáticp e informacional? Já dominamos e filtramos a informação que chega via internet, TV, jornais da melhor maneira ou apenas consumimos o que aparece pela frente?

Alfabetização midiática não é uma propriedade que alguém pode ou não ter, algo como eu tenho e você, não. É um processo, um hábito que nossa mente desenvolve e que está enraizado na sociedade de informação. Nós temos vivido em uma sociedade de informação por muito tempo, o que traz muitas escolhas. Os critérios para essas escolhas variam bastante. Muitas pessoas buscam conhecimento para se manterem informadas, outras procuram entretenimento para se divertir e há pessoas que estão usando persuasão para influenciar a opinião alheia. Essa explosão de escolhas nos leva a escolhas complexas – e os seres humanos não gostam de complexidade. Se há um atalho, nós tomamos, se nos oferecem uma resposta simples, nós aceitamos. Diante de tamanho volume de informação, nós buscamos formas de reduzir a complexidade. Procuramos respostas simples e, nesse momento, há pessoas que estão usando a informação como uma arma para persuadir outras pessoas. Eles estão prontos para agir e criar uma polarização ainda maior.

Veja matéria completa novaescola

Cuiabá sedia III Simpósio sobre Dislexia de Mato Grosso

Assessoria de Imprensa Seduc-MT 

Cuiabá sedia III Simpósio sobre Dislexia de Mato Grosso para debater sobre Educação, Inclusão e Qualidade. O evento será realizado nos dias 22 e 23 de maio, das 18h às 22h, no Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros. As inscrições serão abertas no próximo dia 6 de maio.
As inscrições poderão ser realizadas no site da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (www.seduc.mt.gov.br) e também pelo site da Assembleia Legislativa, por meio do link: https://goo.gl/Ejes9.
Como forma de inscrição, o evento também apoia a campanha “Doe 2 litros de leite”. O objetivo é arrecadar um número significativo do alimento para serem doados a instituições sem fins lucrativos.
Programação
No dia 22, o palestrante será o neurologista Clodoaldo Pirani Júnior. Formado em medicina pela Universidade Federal de Goiás, especialista em Clínica Médica e Neurologia Clínica pelo Hospital das Clínicas da Universidade de Campinas.
O mestre em Direito Constitucional pelo Instituto Brasiliense de Direito Público, especialista em Direitos Difusos e Coletivos, Miguel Slhessarenko, também irá palestrar.
Já no dia 23, as palestras ficam por conta da professora Ana Luiza Navas fonoaudióloga, mestre e doutora em psicolinguística; presidente do Instituto ABCD-SP.
O doutor Junior Cadima, músico/neuropsicopedagogo, falará sobre o tema “Música, Inclusão e Acessibilidade”.
Por fim, o último dia do Simpósio oferecerá oficinas. “Recursos musicais e sonoros para profissionais da saúde e educação”, com o doutor Junior Cadima, e “Tecnologia como auxilio ao disléxico”, com a professora Andrea Chagas, doutoranda do programa de estudos em cultura contemporânea da UFMT e membro da Associação Mato-grossense de Dislexia.
seduc

segunda-feira, 7 de maio de 2018

SEDUC: Seges divulga perguntas frequentes sobre posse no Concurso da Educação

Segunda etapa de nomeação do concurso da Seduc começa na próxima segunda-feira (07.05) e cerca de 1.700 deverão tomar posse
Lorena Bruschi Seges-MT 
 Secretaria de Estado de Gestão (Seges) orienta os aprovados no Concurso Público da Educação de Mato Grosso sobre certidões, documentos, e ocasiões específicas que geraram dúvidas frequentes durante a nomeação. O documento que contém a resposta para as dúvidas frequentes pode ser acessado por aqui.
O objetivo é que os cerca de 1,7 mil nomeados que começarão a tomar posse na segunda etapa, que começa na próxima segunda-feira (07.05), tenham suas dúvidas esclarecidas, e agendem a posse com os documentos corretos para agilizar o processo.
O documento apresenta tutorial detalhado sobre como retirar as certidões criminais estadual e federal, certidão de vinculo funcional e da Junta Comercial, entre outros documentos exigidos pela Instrução Normativa nº03/2013 atualizada em 2018.
Dúvidas sobre acúmulo de cargos, posse de gestante e de Microempreendedor Individual estão no documento. Um dos pedidos de informação mais frequentes são sobre prorrogação de posse, medida prevista na Lei Complementar 104/2002, que prevê que é possível adiar o prazo da posse por mais trinta dias em casos de força maior.
Concurso
Ao todo, foram 5.748 vagas foram preenchidas no maior concurso da Educação, sendo 3.324 para o cargo de Professor da Educação Básica, 1.496 para Apoio Administrativo Educacional (AAE) e 928 para Técnico Administrativo Educacional (TAE), além de cadastro de reserva de 50% do total de vagas.
Entraram em efetivo exercício na primeira etapa de convocação 83% dos 1.922 nomeados na primeira lista. Destes, 70 candidatos tiveram a posse prorrogada ou suspensa (3,6%), 11 não passaram na perícia médica (0,6%) e seis tiveram a posse negada (0,3%).

seduc

Abertas nesta segunda-feira, 7, inscrições para o Enem 2018 podem ser feitas até 18 de maio


Os estudantes interessados em fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 têm até 18 de maio para fazer suas inscrições, que foram abertas nesta segunda, 7, em todo o Brasil. O pagamento da taxa, no valor de R$ 82, se estende até 23 de maio. As provas serão realizadas em 4 e 11 de novembro, dois domingos, assim como em 2017.
O período para solicitar a isenção da taxa de inscrição e de justificar ausência da edição passada terminou no último dia 15 de abril. Ao todo, 3.818.663 brasileiros solicitaram o direito de não pagar a taxa de inscrição. Destes, 208.588 foram participantes isentos em 2017, que faltaram aos dois dias de aplicação e precisavam justificar a ausência para ter direito a nova isenção. Entretanto, apenas 8.486 apresentaram a documentação exigida e 200.102 declararam não possuir documentos que justificassem a ausência no exame.
Todos os interessados em prestar o exame, isentos ou não, deverão fazer a inscrição entre 7 e 18 de maio. Ou seja, a aprovação da solicitação de isenção não significa que a inscrição está realizada automaticamente. Portanto, para quem se enquadra nos critérios de isenção serão necessárias essas duas etapas.
Novidade - A principal novidade do Enem 2018 é relacionada ao segundo dia de provas, que passará a ter mais 30 minutos de duração para as disciplinas ciências da natureza e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias. Agora, os estudantes terão cinco horas para responder às questões.
Redação – A nota da redação, entre zero e mil pontos, respeitará os critérios dispostos no Portal do Inep e na Cartilha do Participante – Redação no Enem 2018, que será publicada posteriormente com detalhamento das cinco competências avaliadas. A correção respeitará a decisão oficializada pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmem Lúcia, em novembro de 2017, para garantir tranquilidade aos participantes.
Aplicativo – Todas as informações sobre o Enem estão disponíveis no portal do Inep, na página do Enem 2018 e no aplicativo Enem 2018, disponível na App Store e na Google Play. As redes sociais do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e do MEC, outros canais oficiais de comunicação com os participantes, também têm informações e respondem a dúvidas. O Fale Conosco do MEC/Inep atende pelo 0800 616161 e em sua versão on-line.
Clique aqui para acessar a página do participante.
Assessoria de Comunicação Social

Desenho de estudante mato-grossense é finalista em concurso; vote aqui

Yuri Ramires Seduc-MT 
Helen de Souza Nunes, estudante da Escola Estadual de Ensino Médio Inovador Maria de Lourdes Ribeiro Fragelli, em Guirantinga (cidade a 328 km ao Sul de Cuiabá), está na final do II Concurso de Desenhos para Escolha da Identidade Visual da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2018, promovido pelo Ministério de Ciência e Tecnologia.
A jovem de 17 anos, que já tem um talento promissor com desenhos, encarou o desafio quase no final do prazo de inscrição. “Foi de última hora que decidi participar, aí um dia, eu estava deitada pensando no produto e veio a ideia”, lembra.
No desenho, Helen representa a sustentação do mundo por meio da ciência. Ela ainda destaca a diversidade, por meio da representação da mulher negra, e a biologia.
“Não pensei como um ato político, mas é importante colocar as mulheres e os negros, que nem sempre representados na sociedade. Então, fiz questão de incluí-los no desenho”.
O professor orientador da jovem, João Antônio Pereira, conta que Helen é uma aluna bastante talentosa. “Ela está aqui na escola desde o 1º Ano do Ensino Médio, se forma esse ano, tem um talento brilhante para o desenho, faz tudo manual, usando lápis de cor”.
No último ano do concurso, o desenho vencedor também foi de um aluno da escola, Guilherme Mateus. Para este ano, Helen fez uma pequena homenagem ao ex-colega.
“Também tem alguns elementos que remetem ao desenho do Guilherme, que já ganhou o concurso e representou bem nossa escola”, conta.
O voto popular acontece até o dia 09 de maio. João e Helen pedem para que toda a sociedade vote em seu desenho, disponível neste site.
O desenho vencedor será usado como logo da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2018.
seduc

Piso salarial de professores da educação básica para 2020: R$ 2.886,24

Dyelle Menezes, do Portal MEC O piso salarial dos profissionais da rede pública da educação básica em início de carreira foi reajustado...