sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Reprovação não soluciona baixa aprendizagem e aumenta gastos públicos, diz Álvaro Chrispino

Mato Grosso aparece em terceiro lugar entre os Estados que mais têm abandono no ensino fundamental. A situação de MT e o panorama nacional da questão foram apresentados pelo professor doutor em Educação, Álvaro Chrispino que falou sobre os desafios da gestão pública frente aos conflitos escolares durante o III Fórum Municípios & Soluções "Diagnósticos e Desafios do ensino público em Mato Grosso", realizado pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso. "Os modelos de gestão e de ensino são adequados às demandas tão heterogêneas que as escolas precisam atender?", questionou o palestrante do I Painel cujo tema foi o "Planejamento do Ensino Fundamental".
Para Álvaro Chrispino, a gestão e o modelo educacional devem ser repensados. Ponderou que a busca pela ampliação da cobertura da Educação pode ser encontrada nos discursos e ações de Getúlio Vargas, mas alcançou seu ápice na década de 1970, Por volta de 1998, o país alcança aproximadamente 98% das crianças no Ensino Fundamental. Mas, "garantia de acesso e não de qualidade, nem de saída para mudanças na estrutura social. Como o aumento de vagas, aumento do número de professores e quantidade de escolas ocorreu de maneira rápida, trouxe problemas de orçamento e de formação de pessoal adequado e por muitos anos reprovamos o aluno porque ele não aprendeu e acreditamos que no ano seguinte ele irá aprender".


"Garantia de acesso e não de qualidade, nem de saída para mudanças na estrutura social. Como o aumento de vagas, aumento do número de professores e quantidade de escolas ocorreu de maneira rápida, trouxe problemas de orçamento e de formação de pessoal adequado e por muitos anos reprovamos o aluno porque ele não aprendeu e acreditamos que no ano seguinte ele irá aprender" ÁLVARO CHRISPINO, PROFESSOR DA UFRJ E DOUTOR EM EDUCAÇÃO

A reprovação, de acordo com o palestrante, não trouxe vantagens ao ensino e ainda estabeleceu uma série de equívocos que vão desde problemas no aprendizado ao aumento de gastos por parte da gestão pública. "São gestores, professores, ou seja, os adultos, que definem todos os conteúdos, os objetivos, a metodologia de ensino a ser empregada, as avaliações, a organização e o livro didático, mas são os alunos, ou seja as crianças, é que são reprovados", afirma. Uma possibilidade para alterar essa realidade, segundo Chrispino, é repensar o modelo educacional e para tanto o palestrante discorreu sobre as vantagens e resistências quanto ao sistema de ciclos que "se bem aplicado, eles pode evitar o abandono e melhorar a aprendizagem".
Professor Álvaro Chrispino que falou sobre os desafios da gestão pública
frente aos conflitos escolares durante o III Fórum Municípios & Soluções
É fundamental, segundo Álvaro Chrispino, fazer questionamentos como: Quem ganha com a reprovação? Quem precisa ser reprovado? Se reprovar não favorece a aprendizagem, por que reprovamos? Qual o custo financeiro e social da reprovação? De acordo com dados nacionais sobre o custo do ensino por aluno, constatou-se que as reprovações elevam em 36% os gastos com Educação a situação ainda se agrava quando analisados os indicadores nacionais de aprendizagem que apresentar baixos números na avaliação de proficiência (verifica o nível de conhecimento e como o aluno o utiliza).
A maior dificuldade da gestão é compreender e identificar as razões para os problemas de maneira científica, considerando variáveis gerais e também as específicas de cada região, propor soluções e avaliar. "É por isso que o problema persiste, pois ele não é sequer delineado e menos ainda solucionado, no passado, por exemplo, gastamos muitos recursos tentando ver porque ocorre a evasão, por exemplo, quando deveríamos nos concentrar na reprovação, aí está o desafio na elaboração de políticas públicas, pois para definir indicadores precisamos focar nas pessoas e trabalhar com a comunidade", defendeu.
As vantagens do sistema de ciclos é que ele não está preocupado em reprovar e se bem aplicado garante o aprendizado, diminui o abandono e o custo. "Mas se o ensino oferecido não é adequado, o problema será refletido na vida do aluno e discutir se reprovamos ou aprovamos é um falso dilema, a questão central é lembrar que o sistema de ensino não foi criado para dar emprego a professores, ele foi montado pela sociedade para oferecer ensino e a medida do sucesso de um sistema de ensino é o aluno", finalizou.


http://www.tce.mt.gov.br/conteudo/show/sid/73/cid/40888/t/Reprova%E7%E3o+n%E3o+soluciona+baixa+aprendizagem+e+aumenta+gastos+p%FAblicos++diz+%C1lvaro+Chrispino

Juara e Lucas do Rio Verde compartilham com outros municípios de Mato Grosso boas experiências na Educação Pública


Uma criança, uma professora, uma caneta e um livro podem mudar o mundo
MALALA YOUSAFZAI
"Uma criança, uma professora, uma caneta e um livro podem mudar o mundo". O tom assertivo da fala atribuída à ativista paquistanesa, Malala Yousafzai, motivou as discussões do 4º painel do III Fórum Municípios & Soluções "Diagnósticos e Desafios do ensino público em Mato Grosso", na manhã de quinta-feira (8/10). Os palestrantes abordaram a inovação na direção escolar e a gestão da informação nas unidades de Ensino.
Sibele Lopes, Diretora da Escola Estadual Luzia Nunes Bezerra
Para tanto, foram apresentadas iniciativas que deram certo e que, de alguma forma, podem incentivar as outras Instituições na busca contínua pela qualidade na Educação Pública. A diretora da Escola Estadual Luzia Nunes Bezerra, Sibele Lopes, trouxe ao evento os projetos desenvolvidos no município de Juara, que a levaram a conquistar o 1º lugar no Prêmio Nacional de Gestão Escolar em 2013.
Atualmente, a Escola possui 817 alunos, com Ensino Fundamental do 1º ao 3º ciclo, gerenciada por 60 funcionários. Segundo a diretora, é preciso ter o foco no aluno, em seu aprendizado e nos resultados. Assim, todos os profissionais são capacitados e levados à sala de aula novamente, através do projeto Sala Educadora. "Nós, desta forma, conseguimos formar profissionais, parceiros, apaixonados pela educação pública", compartilhou a gestora com cerca de 400 participantes presentes no Fórum.
"Nós, desta forma, conseguimos formar profissionais, parceiros, apaixonados pela educação pública"
SIBELE LOPES

DIRETORA DA ESCOLA ESTADUAL LUZIA NUNES BEZERRA
Ela ainda ressaltou que, "apenas esse sentimento de pertença" pode mudar a realidade da Educação brasileira, pois apenas desta forma a Escola Estadual Luzia Nunes Bezerra experimentou hesito ao final dos últimos 20 anos. "A melhoria na Educação em nossa Escola se iniciou lá atrás, pelo trabalho das primeiras professoras efetivas que lá chegaram. A realidade não melhora da noite para o dia, sem planejamento, sem motivação e sentimento", pontuou.
Elaine Benetti, secretária de Educação de Lucas do Rio Verde
Experiência semelhante vivenciou a cidade de Lucas do Rio Verde, que, em 2013, se destacou no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), com média 6.5 nos anos iniciais e 5.2 nos anos finais do ensino fundamental, meta projetada nacionalmente para 2021. "O sucesso deste momento em Lucas do Rio Verde se deve à vontade de melhoria no Ensino por parte de todos os profissionais envolvidos com a Educação Pública no município", avaliou Elaine Benetti Lovate, secretária municipal de Educação.
Em sua fala, a gestora enfatizou a iniciativa do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) em proporcionar o debate de questões tão importantes para a sociedade e por permitir a troca de bons exemplos. "Apesar de atingir as metas na Educação, estamos inquietos, procurando formar e continuamente melhorar. Neste encontro, tivemos a oportunidade de aprender com outras realidades", concluiu.
Nelson Santa Rosa, coordenador de educação do Rio de Janeiro
Professora e doutora em Educação, Yvelise Freitas de Souza
No rol de bons apontamentos, também foi apresentado no painel o atual sistema informatizado da Educação no Rio de Janeiro. O coordenador responsável pela ferramenta na Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC-RJ), Nelson Santa Rosa de Carvalho Júnior demonstrou como as informações de cada unidade de ensino e de seus respectivos alunos, disponibilizadas à comunidade escolar, são fundamentais para o acompanhamento individual dos estudantes e, sobretudo, para o diagnóstico das dificuldades pelas quais, eventualmente, eles estejam passando. "É importante enfatizar que esse sistema congrega dados, notas, informações pessoais dos alunos, mas que, para nós, vai além, permitindo-nos um acompanhamento próximo da realidade deles".
Para finalizar o painel, a professora doutora em Educação e diretora de Apoio à Gestão Educacional do Ministério de Educação (MEC), Yvelise Freitas de Souza Arco-Verde, trouxe informações sobre a gestão da educação e da escola pública. Ela demonstrou como o olhar da sociedade sobre a Escola se transformou ao longo de décadas, evidenciando que, hoje, vivenciamos um momento favorável para assumir o Ensino Público como um bem prioritário e uma herança concreta às futuras gerações.

III Fórum Municípios & Soluções | "Diagnósticos e Desafios do Ensino Público em Mato Grosso"
CONFIRA PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO FÓRUM
O III Fórum Municípios & Soluções "Diagnósticos e Desafios do Ensino Público em Mato Grosso", realizado pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso acontece entre os dias 7 e 8, reunindo 411 participantes. O evento traz os resultados da auditoria especial no Ensino Fundamental com informações coletadas entre 2011 a 2014 e apresentar um diagnóstico da situação. Os auditores vistoriaram 50 escolas das redes estadual e municipal, abrangendo 21 municípios que representam aproximadamente 40% da população de Mato Grosso. A auditoria tem como relator o conselheiro Antonio Joaquim.
Ao longo de dois dias, os participantes acompanham os painéis, onde são apresentados os dados de auditoria. Serão feitos debates com especialistas e apresentado casos de sucesso, indicando possibilidades para solucionar as dificuldades identificadas.

http://www.tce.mt.gov.br/conteudo/show/sid/73/cid/40890/t/Juara+e+Lucas+do+Rio+Verde+compartilham+com+outros+munic%EDpios+de+Mato+Grosso+boas+experi%EAncias+na+Educa%E7%E3o+P%FAblica 

Ministro decide por desobrigar Governo de MT a destinar 35% do orçamento à Educação

Airton Marques O governador Mauro Mendes (DEM) conseguiu, no Supremo Tribunal Federal (STF), suspender artigo da Constituição Estadual q...