quinta-feira, 12 de setembro de 2013

SEDUC: Saguás sai; Rosa Neide retorna

Enquanto os professores da rede estadual de ensino continua em greve, o titular da pasta, Ságuas Moraes já iniciou a faxina nas gavetas de sua mesa e dos armários de seu gabinete na Secretaria Estadual de Educação. Ele e seu secretário executivo do Núcleo Educação, Antônio Carlos Ióris deixam suas funções dia 27. Ságuas vai assumir a cadeira de deputado federal no lugar de Homero Pereira (PSD) que deve pedir aposentadoria em virtude um câncer no estomago.

Nas últimas semanas Ságuas e Ióris foram várias vezes à Brasília e em São Paulo para encontros com o deputado federal Homero Pereira, que faz tratamento de câncer e que relutava em deixar o cargo acreditando que a recuperação fosse rápida. Com a doença lhe impedido de retomar suas atividades como pretendia, o parlamentar avisou que estaria entrando com pedido de aposentadoria na Câmara Federal com base no relatório de seus médicos em São Paulo que o querem voltado apenas para o tratamento da doença.
Na semana passada, em mais uma reunião com o parlamentar ficou decidido que Ságuas Moraes assume a condição de deputado federal em primeiro de outubro. O secretário de Educação não confirma sua saída, mas na Seduc funcionários informam que já está tudo acertado. “Ele sai, ele e o Ióris”, disse um servidor próximo ao secretário.
Com a saída de Ságuas, O PT já definiu junto ao governador Silval Barbosa que a ex-secretária Rosa Neide Sandes de Almeida volta a comandar a pasta. Ela, inclusive vem mantendo seguidas reuniões com o titular a respeito do andamento da secretaria e da greve dos professores.
 Rosa Neide deve manter a mesma estrutura hoje instalada na secretaria. Até agora não se sabe ainda quem vai substituir Antônio Carlos Ióris, que acompanha Ságuas Moraes desde quanto foi prefeito de Juina.

http://www.24horasnews.com.br/m441655/sguas_fica_na_seduc_at_o_dia_27_rosa_neide_assume.html

Escolas e Creches apresentam trabalhos no SEMIEDU 2013

foto: Jorge Pinho

Os projetos e trabalhos desenvolvidos pelas escolas e creches da rede municipal de Cuiabá estão sendo apresentados à população durante o Seminário de Educação (Semiedu) 2013, na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus de Cuiabá.
Os trabalhos estão expostos no estande da Secretaria Municipal de Educação (SME), em frente ao Centro Cultural da UFMT. Quem visitar o estande também poderá conhecer os programas e projetos desenvolvidos pelas diretorias e coordenadorias da SME. Os trabalhos ficarão expostos até sexta-feria (13).
A Escola Municipal de Educação Básica Maria Tomich Monteiro da Silva, do bairro Ribeirão do Lipa, que atende 400 alunos da educação infantil ao 5° ano, apresentou o projeto Lição de Amor, que visa levar os pais para dentro da escola.
Conforme explica a coordenadora da escola, Elizabeth Carvalho da Silva, uma vez a cada dois meses os pais são convidados a participar das aulas junto com os alunos. “Eles vivenciam todas as etapas e experiências dos alunos dentro da sala de aula e fora dela, inclusive no momento da merenda escolar”, comenta.
Segundo a coordenadora, é visível a felicidade dos alunos com a presença dos pais e essa iniciativa, que é desenvolvida na escola desde 2006, tem resultado na melhoria do aprendizado. “Elas se sentem valorizadas e os pais, que nunca vivenciaram esse tipo de experiência antes, ficam felizes em poder participar da vida escolar do filho”.
Outra experiência que também tem dado certo e foi apresentada durante o seminário foi o projeto “Viajando nos Cabelos de Lele” da Escola Maximiano Arcanjo da Cruz, do bairro Santa Laura.
Por meio de uma historinha, que tem como personagem uma menina negra chamada Lele, os professores ensinam as crianças um pouco de história e geografia, destacando a cultura africana. “Na nossa escola 70% das crianças são negras e boa parte delas não aceita seus cabelos encaracolados. Por isso criamos essa personagem, que tem essas mesmas características, para contar a sua história e sua origem”, explica a professora Aliete Pereira.
Um grande tapete, que tem o desenho do mapa-múndi, é colocado no meio da sala de aula e em cima dele são colocados bonecos que representam o índio, o europeu e o negro. “Explicamos que nós somos o resultado da junção dessas três raças para a criança entender melhor a nossa história”, acrescenta a professora.
O projeto “Liberando o Mundo da Fantasia” da Escola Juarez Sodre Farias, do bairro Araés, foi apresentado pela professora Maria Julia Velter.
O projeto visa dividir a turma para circular em sete ambientes: sala de Ciências; brinquedoteca; informática; brincando com as letras e números; brincando com o movimento do corpo; artes; e literatura infantil.
Segundo a professora, a escola atende crianças da educação infantil na faixa etária de 3 a 6 anos e resolveu adotar a organização do espaço pedagógico em salas ambientes como forma de atender os alunos em todas as atividades ofertadas pela escola.
“Antes as crianças ficavam quatro horas em sala de aula, sempre com a mesma professora, e algumas atividades não eram trabalhadas porque não dava tempo. Agora todas as áreas são trabalhadas. Percebemos que a criança desenvolve muito mais dessa forma”.
Outros projetos também já foram apresentados, como o da escola Padre Agostinho Calli, com o projeto “Nosso Trabalho: Meu Trabalho”, em uma sala anexa ao Centro de Convivência de idosos Padre Firmo.
Semiedu - O Semiedu 2013 tem como tema “Educação e (des)colonialidades dos saberes práticas, e poderes” e ocorre entre os dias 9 e 13. Participam educadores, pesquisadores e estudiosos de educação de instituições de ensino brasileiras e de vários países europeus, africanos, centro-americanos e latino-americanos, além de professores das redes estadual e municipais de ensino básico e médio, lideranças indígenas.
Fonte:  Rosane Brandão
http://www.cuiaba.mt.gov.br/noticias?id=7452

Prova Brasil 2013 avaliará Ciências Humanas e Ciências da Natureza

Agora é oficial: a Prova Brasil 2013 avaliará Ciências Humanas e Ciências da Natureza. Serão 26 questões de cada uma das novas áreas, além das tradicionais de Língua Portuguesa e Matemática. A informação foi confirmada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) com exclusividade à reportagem de GESTÃO ESCOLAR, a somente dois meses da realização do exame (entre os dias 11 e 21 de novembro). Apenas os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio serão avaliados em Ciências (estes últimos serão avaliados pelo Saeb - Sistema de Avaliação da Educação Básica).
Em abril, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, havia anunciado na Câmara dos Deputados a inclusão de "Ciências" na Prova Brasil. Em julho, uma portaria no Diário Oficial informava a aplicação de questões de Ciências, mas não trazia a explicação de que o exame incluiria tanto as áreas de Exatas e Biológicas quanto a de Humanas, algo que só agora foi anunciado. Apesar do curto prazo entre o primeiro anúncio extraoficial da prova e sua realização, o Inep não entende que o prazo seja apertado. "Os pressupostos teórico-metodológicos que garantem a validade e a comparabilidade dos resultados foram seguidos, de forma a garantir que possam ser comparáveis com as edições futuras", afirma a assessoria.
Participarão todas as escolas do país com pelo menos 20 alunos em cada turma nas séries avaliadas. "A importância de ser censitária [aplicada a todas as escolas] se justifica pela necessidade da produção de indicadores por escola", explica o Instituto.
leia mais:

SINTEP diz que greve continua

Sem acordo nas negociações, a greve dos professores da rede estadual, considerada abusiva pela Justiça, completa um mês nesta quinta-feira (12) e segue sem previsão de retorno. A categoria pede reajuste salarial de 10,4%, entre outras reivindicações, porém, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), enquanto aguardavam uma proposta da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), foi dada essa decisão contrária ao movimento.
O governo não apresentou nenhuma proposta à categoria, segundo o presidente do Sintep, Henrique Lopes do Nascimento. "Desde o dia 3 [de setembro] disseram que iriam encaminhar a proposta, mas o governo foi leviano nas suas afirmações. Por um lado disse que iria mandar a proposta e, por outro, entrou com um pedido de ilegalidade da greve", reclamou.
A decisão declarando a greve abusiva foi proferida na terça-feira (10) pelo desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) Marcos Machado. O magistrado deu prazo de 72 horas, a partir da publicação da decisão, para que a categoria retome os trabalhos e considerou  o fato de aproximadamente 430 mil alunos estarem sem aula. No entanto, o Sintep disse que irá recorrer da decisão e manter a paralisação.
leia mais:
http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2013/09/greve-dos-professores-de-mt-faz-um-mes-sem-previsao-de-termino.html

Índios colombianos recebem tablets para estudar

BOGOTÁ, 11 Set 2013 (AFP) - Três mil e seiscentos indígenas colombianos receberam tablets para dar continuidade aos estudos do ensino básico em seu idioma, depois de abandonarem a escola oficial, informou nesta quarta-feira o governo do departamento (estado) de Guainía, na selva amazônica (leste).
A iniciativa permitirá que indígenas entre 15 e 50 anos voltem a estudar, com o objetivo de promover a formação dos alunos em matemática, linguagem, ciências sociais e biologia.

Os tablets os ajudará, ainda, a aprender a ler e escrever em espanhol e nas línguas das quatro principais etnias da região: puinave, piapoco, sikuani e curripaco.

Os dispositivos não precisam de conexão à internet, pois já têm em sua memória interna todo o conteúdo necessário para as aulas.

As lições através dos dispositivos eletrônicos serão complementadas com aulas presenciais e livros.

O objetivo deste sistema interativo de educação é que os estudantes possam se formar no ensino médio e se tornar gestores do desenvolvimento em suas comunidades.
http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2013/09/11/indios-colombianos-ganham-tablets-para-estudar-em-seu-idioma.htm

Royalties deve ser investido em melhoria salarial

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, participou nesta quarta-feira, 11, do programa de rádio Bom Dia Ministro. Ele falou sobre o impacto da lei que destina 75% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal para a educação, sancionada na segunda-feira, 9, pela presidenta da República, Dilma Rousseff. Mercadante afirmou que a educação infantil e a melhoria do salário dos professores estão entre as prioridades para a aplicação dos recursos dos royalties do petróleo. 

“A aprovação do projeto dos royalties vai muito além do orçamento deste ano e dos próximos. Os royalties são exatamente para preparar o Brasil pós-petróleo. Não há como preparar de forma mais consistente”, salientou o ministro.  

Assessoria de Comunicação Social

Ouça o programa Bom Dia Ministro 

Malsete Santana lança livro "Relações Sociais e Gestão Escolar"

A professora Malsete Arestides Santana, coordenadora da Escola Municipal de Educação Básica Helio de Souza Vieira, do bairro Praeiro, lança nesta quarta-feira (11), às 18h, o livro Relações Raciais e Gestão Escolar.
O lançamento do livro faz parte da programação do Seminário de Educação (Semiedu), promovido pela Universidade Federal de Mato Grosso durante toda esta semana (9 a 13). O evento de lançamento do livro ocorrerá na Faculdade de Administração e Ciência Contábeis (FAeCC).
O livro Relações Raciais e Gestão Escolar, conforme Malsete Santana, é resultado de sua tese de mestrado, concluído em 2012 e que teve como orientadora a professora Maria Lúcia Rodrigues Müller, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação (Nepre) do Instituto de Educação (IE) da UFMT.
“Antes de realizar a minha pesquisa, percebi que na área de relações raciais já existiam vários trabalhos realizados, mas nenhum voltado para a gestão escolar”, disse a professora, explicando o porquê da escolha do tema.
Segundo a professora, a obra vai auxiliar o gestor escolar a trabalhar a questão racial nas escolas. “A formação de professores e gestores é muito importante. Somente a partir do conhecimento é possível trabalhar o tema na escola”.
Durante sua pesquisa, a professora trabalhou com duas escolas, que usou como A e B, sendo uma da região central e a outra na periferia de Cuiabá. “Durante as entrevistas, realizadas com as duas diretoras e os alunos, constatei que na escola da periferia o número de alunos negros é maior e existem muito mais projetos voltados para a questão racial”.
Fonte:  Rosane Brandão
http://www.cuiaba.mt.gov.br/noticias?id=7443

Covid-19 - MEC divulga diretrizes para volta às aulas presenciais nas Instituições Federais de Ensino

Acesse aqui o Documento  https://vps3574.publiccloud.com.br/cartilhabio.pdf