quinta-feira, 10 de maio de 2018

SEDUC: Historiadora dedica vida a causa indígena, após imersão em aldeias das Américas

















Karina Aparecida Geraldo é jovem, mas aos 32 anos soma intensas vivências 
devido aocontato com mais de 35 grupos indígenas dentro e fora do Brasil. 
Desde muito cedo, enquanto ainda era estudante do curso de História na Unemat,
em Cáceres, se apaixonou pela diversidade das aldeias. Trancou o curso e foi 
viajar a América Latina, imergindo nas culturas da Colômbia, Venezuela, 
Argentina e Bolívia para ampliar seu conhecimento. Se encantou tanto pela 
Bolívia que desenvolveu pesquisa com o cenário social deste país e tratou sobre 
o nascimento do preconceito do camba contra os colha na região. Terminou a 
faculdade e passou a se dedicar cada vez mais as causas indigenistas. Sua 
especialização é em Educação das Relações Étnico-raciais no contexto da 
educação de jovens e adultos, com essa bagagem também atua no Cefapro, 
atualmente, com ênfase em cursos para professores da rede pública no município 
de Várzea Grande e toda baixada cuiabana, afim de ampliar o leque dos 
educadores para a diversidade, inclusive, no tratamento e escolaridade para 
indígenas. Ao todo, são 12 anos na trajetória contra o preconceito e pela 
causa de grupos em vários cantos do mundo.

Karina, como tudo começou? Como você se apaixonou pela causa 
indígena e porque se dedica a elas há tanto tempo?
Me apaixonei pelas questões indígenas quando ainda estava na Universidade 
(Unemat), que tem um viés indígena. Nesse processo eu tranquei o curso de 
história e fui dar uma volta pelas Américas e, por meio disso, eu tive contato com 
vários grupos, tanto na Bolívia, Colômbia, Venezuela, Argentina. O amor que fui 
criando foi ficando muito maior. Voltei a Cáceres, terminei o curso de História, 
e passei em um concurso público para Nova Xavantina. Quando cheguei lá, 
comecei a dar aula em uma escola que atendia um grande grupo de Xavantes. 
Como eu via que esse grupo era muito discriminado dentro da cidade e dentro 
das escolas que trabalhava, comecei então a desenvolver projetos para falar a 
respeito da cultura xavante A'wẽ Uptabi. Paralelamente comecei a desenvolver 
um projeto com uma amiga da mesma área, o Praça Viva Cinema Livre. Nesse 
projeto nós levávamos o cinema indígena pra dentro das praças públicas de 
Nova Xavantina. Desde então, comecei a ir mais ainda as aldeias, fiz vários 
trabalhos com os A'wẽ Uptabi, que é como eles se denominam.

"Ouço a reprodução de discursos 
ignorantes como “para quê índio 
quer terra?”, mas ninguém questiona 
o motivo pelo qual Blairo Maggi, 
sozinho, quer tanta terra".

Confira mais trechos da entrevista, 
clique RDNEWS .

Covid-19 - MEC divulga diretrizes para volta às aulas presenciais nas Instituições Federais de Ensino

Acesse aqui o Documento  https://vps3574.publiccloud.com.br/cartilhabio.pdf