sexta-feira, 8 de agosto de 2014

SME de Cuiabá propõe ganho real de 2,44 sobre o salário de junho


Na quinta-feira (7) desta semana, a direção do Sintep Subsede de Cuiabá realizou reunião com representantes das escolas e creches municipais, para debater a resposta oficial do Secretário municipal de educação referente à pauta de reivindicação da categoria, protocolada no início do mês de junho.

  Como encaminhamento, os representantes assumiram o compromisso de socializar a proposta com os demais profissionais da educação na unidade educacional e, desta forma, subsidiar as deliberações que serão tomadas na reunião de representantes que ocorrerá no dia 14 de agosto.

Veja na íntegra o  Ofício SME

Nota do Blog: já houve o repasse do INPC de 6,06%. 
A SME propõe ganho real de 2,44, totalizando 8,5%.


http://sintepcba.org.br/

VI Fórum de Educação e Diversidade acontece de 13 a 15 de agosto


 VI Fórum de Educação e Diversidade acontecerá entre os dias 13 e 15 de agosto na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), campus de Tangará da Serra. O texto proposto para a sexta edição do Fórum "Arte, identidade e Cultura nos novos contextos tecnológicos e midiáticos" foi estruturado em palestras, mesas redondas, oficinas, grupos de trabalhos, filmes e apresentações culturais envolvendo as mais diversas áreas de conhecimento.
Os Fóruns de Educação e Diversidade são realizados desde 2003 pelo Núcleo de Atividades, Estudos e Pesquisa sobre Educação, Ambiente e Diversidade (Need) com características diferenciadas de outros eventos acadêmicos científicos, uma vez que é em conjunto com a participação de escolas do campo, indígenas e quilombolas, na busca de contribuir com a discussão que relaciona educação e diversidade tendo como ponto de partida o diálogo e respeito entre os diferentes saberes.
Entre os objetivos do Fórum está a contribuição com a atual discussão sobre arte, cultura e educação baseada na dimensão política e identitária que as manifestações artísticas adquirem entre as escolas do campo, indígenas e quilombolas e o modo como se relacionam com as discussões sobre arte e cultura no contexto da formação inicial e continuada de professores nos novos contextos tecnológicos e midiáticos.
Acesse as oficinas e a programação no site da Unemat.

Dia D com foco no Projeto Pedagógico será na próxima segunda-feira (11)

ALINE MARQUES
Assessoria/Seduc-MT
Professores, funcionários, alunos e a comunidade escolar em geral estão convidados a participarem do dia D da Educação em sua respectiva unidade escolar. Na próxima segunda-feira (11), as 744 escolas estaduais de Mato Grosso destinarão o dia para discussão com toda a comunidade escolar para, juntos, refletirem a respeito de como está a escola e em que precisa avançar. Segundo a Secretária Adjunta de Políticas Educacionais (da SAPE), Ema Marta Dunck Cintra, o Dia D, que começou a ser desenvolvido na rede em 2007 pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), neste ano trabalhará com a temática “Dia D com foco no PPP (Projeto Político Pedagógico)”.
Ema Marta, à frente da SAPE, portanto, lembra que "há um trabalho desencadeado em todas as superintendências da SAPE que prevê a revisão e reorganização dos PPPs escolares para o biênio 2014/2015, observando o diagnóstico e os indicadores das unidades, para que a escola se "fotografe" e ocorram os avanços em seu Plano de Ação, de forma a atender às reais necessidades e desafios". Já se iniciaram, inclusive, formações neste sentido, via Cefapro, organizadas pela Superintendência de Formação, bem como orientações aos CDCEs escolares e às equipes gestoras, por meio da Superintendência de Gestão Escolar. A Superintendência de Diversidades, por sua vez, tem discutido o olhar inclusivo no PPP, em consonância com os Movimentos Sociais e as políticas afirmativas.
De acordo com a Coordenadora do Ensino Médio, da Superintendência de Educação Básica, Dariluce Gomes da Silva, o tema escolhido neste ano converge com o momento em que as escolas estão em processo de elaboração e revisão. Assim, para o seu PPP, a escola deve fazer o estudo da atual situação da unidade e das mudanças e projetos que pretende implementar no período. Por isso, Dariluce Gomes reforça a importância da presença da comunidade neste dia D. “Os diversos segmentos que compõem a comunidade escolar podem opinar e propor mudanças, apresentar sugestões.  É um momento de reflexão da escola sobre as suas práticas, seus resultados, seu desempenho, seus índices e as metas a partir destes” diz.
A coordenadora frisa que as unidades devem analisar os indicadores, os índices de evasão e reprovação, entre outros, e buscar mudanças. “É uma data muito expressiva e que foi fixada no calendário escolar coincidindo com o Dia do Estudante; trata-se de um dia bastante sugestivo para a escola pensar se as práticas estão de fato garantindo o direito de aprendizagem dos alunos, evidenciando experiências exitosas e pensando sobre as fragilidades e desafios” ressalta.
Segundo o diretor da Escola Estadual Pascoal Ramos, em Cuiabá, Welson Mesquita de Oliveira, o Dia D é o momento de expor o que está dando certo e o que precisa ser mudado. O professor relembra que, no ano passado, por exemplo, a discussão foi em torno da importância do trabalho dos Conselhos Deliberativos. “Muita coisa mudou após o Dia D; uma delas é a conscientização dos alunos e comunidade escolar. Fazemos um trabalho diferenciado trazendo a comunidade para a escola” diz.
A Diretora da Escola Estadual Maria Hermínia Alves, Hélia Ormond, diz que muitos avanços foram observados com a execução do Dia D. Ela diz que, a cada ano, a presença da comunidade é mais maciça neste dia de discussões. “Hoje, por exemplo, os pais já sabem o que é PPP e da importância de contribuir para a sua formulação. Quando falamos em índices do IDEB, ENEM,  a comunidade escolar também já domina o assunto. Eles sabem o quanto é importante participar. E várias sugestões dos pais apresentadas ano passado já estão sendo colocadas em prática” diz Hélia Hormond.
Entre as proposições para o Dia D estão a divulgação da série histórica dos indicadores de promoção (aprovação), reprovação (retenção), abandono (do Ensino Fundamental e Médio), IDEB (proficiência e fluxo) e do Enem, entre outros. Através do conhecimento dos dados e análise coletiva dos mesmos numa visão diagnóstica, a escola, junto com a comunidade, deve buscar alternativas para subsidiar a revisão e reorganização do seu PPP.

http://www.seduc.mt.gov.br/conteudo.php?sid=20&cid=14510&parent=20

Tutoria para gestores, coordenadores e professores

Escrito por Carolina Mainardes
Realizar uma ação com sucesso, na escola ou em sala de aula, pode ser um passo relevante para a motivação de educadores da rede pública de ensino. Para que isso ocorra, a tutoria é uma das ferramentas indicadas. Segundo Patricia Mota Guedes, gerente de Educação da Fundação Itaú Social, o que se pode aprender com reformas educacionais de sucesso mundo afora é que a motivação dos profissionais da Educação é um componente relevante. “Costumamos falar somente em mudanças estruturais, plano de carreira, salário. Essas questões são importantes, mas o apoio à prática profissional é fundamental para que o educador se sinta fortalecido para atuar”, afirma. Fundamentada na observação da prática, a tutoria traz resultados que impactam o dia a dia da escola. Acompanhe a seguir as explicações de Patricia sobre o funcionamento desse método e os resultados que ele pode trazer.
O que é tutoria
Segundo Patricia Mota Guedes, da Fundação Itaú Social, a tutoria é uma metodologia de formação feita no dia a dia da escola, em que se acompanha a prática do profissional. “É uma metodologia de formação continuada e de serviço que se apoia na observação da prática, em ações modelares realizadas pelo tutor, em seções customizadas de planejamento e de feedback sobre as ações realizadas”, explica a especialista. Patricia ressalta que o tutor é um parceiro do profissional tutorado, um par que tem uma experiência prática significativa e que irá contribuir, colaborar e pensar com o tutorado para aprimorar a prática dele.
Motivação
Reformas educacionais de sucesso em todo o mundo mostram que a motivação do profissional da Educação é componente fundamental de um sistema de ensino de qualidade. O apoio à prática é essencial para que o educador sinta-se fortalecido para atuar, capaz de realizar estratégias e de colocar ações em prática. “O medo do novo e a resistência à mudança são vencidos quando o profissional consegue realizar uma ação com sucesso”, afirma Patricia. Um dos grandes desafios da educação, para a especialista, é fazer com que os reflexos da política pública educacional cheguem à escola, à sala de aula e ao dia a dia do diretor e do professor. Ela acredita que a tutoria ajuda muito nessa aproximação.
Tutoria pedagógica
A tutoria pedagógica tem foco no gestor pedagógico da escola: o diretor ou o coordenador pedagógico. “Nesse caso, o tutor atuará observando e fazendo junto em alguns momentos, dependendo dos desafios que o tutorado traz, as rotinas de gestão pedagógica, as quais podem incluir desde planejamento com a equipe de coordenadores pedagógicos, planejamento e condução das reuniões de equipes de professores, até observação de sala de aula e feedback para professores, em uma perspectiva de colaborar para pensar junto e desenvolver estratégias para avançar em relação à aprendizagem dos alunos”, explica Patricia. O tutor também acompanhará a análise das avaliações externas e internas da escola, a leitura de dados, a observação de tendências e a identificação de grupos de alunos com dificuldades e estará atento para articular a proposta curricular e o projeto político-pedagógico da escola.
Tutoria de área
A tutoria de área tem foco no professor. Ela é realizada por um tutor com formação na área do tutorado ou, ainda, em áreas afins de conhecimento. Primeiramente, é feito um diagnóstico e, em seguida, um plano de formação. De acordo com Patricia, o tutor participará de seções individuais com o professor para planejamento de aula e práticas de ensino na sala de aula, em que o fator a ser observado será combinado previamente. “O tutor sempre entra na sala de aula como um parceiro do professor, para colaborar e, às vezes, realizar uma atividade com o professor e conhecer mais de perto os desafios daquela aula ou daquela turma”, ressalta a especialista. Serão abordados a gestão da sala de aula, o planejamento, os problemas de indisciplina, as dificuldades de concretizar a proposta curricular, as ações devolutivas etc.
Feedback
Depois de observar, sempre há uma seção de feedback, em que tutor e tutorado conversam sobre pontos de sucesso, problemas e possíveis estratégias para reverter dificuldades de aprendizagem, além de acompanhamento específico dos alunos em determinados conteúdos ou competências. Também é possível solicitar ao tutor sua participação para modelar uma atividade para a qual o tutorado ainda não tem confiança para aplicar. “Todas essas estratégias são combinadas e têm uma corresponsabilização para avançar. Isso porque se parte do princípio de que o tutor irá trabalhar para a autonomia do tutorado”, afirma Patricia.
Identificar pontos fortes
O tutor, por meio da observação das rotinas da escola, ajudará a identificar os avanços, os pontos fortes, as potencialidades muitas vezes não percebidas pelo tutorado. “Quando o tutor consegue mostrar, com evidências, os avanços, seja da sala de aula, seja de estratégias que o professor ou o gestor passou a dominar, o próprio tutorado se sente mais motivado”, destaca Patricia. Ela comenta que, por se pensar nas prioridades e nas urgências do dia a dia da escola, essas questões podem passar despercebidas. “Esse tipo de segundo olhar é muito importante”, frisa.
Eixo estratégico
A tutoria é considerada um eixo estratégico em reformas educacionais realizadas com sucesso em todo o mundo: Estados Unidos, Inglaterra e Canadá, bem como sistemas educacionais de países menos desenvolvidos, como África do Sul, Índia e Cingapura, que têm avançado nas últimas avaliações educacionais internacionais. No Brasil, programas de tutoria são desenvolvidos pela Fundação Itaú Social em parceria com redes estaduais de ensino em São Paulo, Goiás e, mais recentemente, Ceará. Ainda em Goiás, os municípios de Catalão, Goianésia e Trindade também estão adotando a tutoria. Patricia lembra que o programa possibilita a identificação de profissionais com incrível potencial formador, para atuarem como tutores nas próprias redes de ensino, nas escolas ou nos órgãos regionais. “É uma forma interessante de ampliar a excelência, em que se pode compartilhar conhecimento com seus colegas, mas de forma estruturada, com base em uma metodologia e com apoio da rede de ensino”, observa.
Resultados
“O primeiro resultado da tutoria é a mudança na prática”, afirma Patrícia. Ela ressalta que esse é o foco da tutoria: trabalhar para gerar reflexão e ação na prática da escola e da sala de aula. “São observadas mudanças nas rotinas do diretor, do coordenador pedagógico e do professor, tanto na sala de aula como no planejamento, na capacidade de avaliação da aprendizagem dos alunos, entre outros aspectos”, elenca. Além da excelência, a tutoria atua em questões como a equidade na própria escola, com possibilidade de articular melhor os esforços para a redução do número de alunos que estão com baixo desempenho. Patricia alerta que a tutoria precisa ser aplicada em conjunto com outras estratégias que envolvam proposta curricular, avaliações, padrões básicos, suporte de gestão etc.

+Na Web
A Fundação Itaú Social lançou, em maio, dois guias para auxiliar escolas e educadores na implantação de programas de tutoria. O material introduz o leitor nos princípios e nas estratégias da tutoria e traz relatos de experiências dos tutores e depoimentos de tutorados. A iniciativa visa inspirar gestores públicos a adotarem a metodologia como ponto central em suas reformas educacionais.Conheça o Guia de tutoria pedagógica no link: www.fundacaoitausocial.org.br/_arquivosestaticos/FIS/pdf/Tutoriapedagogica.pdf. E o Guia de tutoria de área no link: www.fundacaoitausocial.org.br/_arquivosestaticos/FIS/pdf/Tutoriapedagogica.pdf. Você também pode conferir os vídeos do Programa Tutoria, disponíveis no canal da fundação no YouTube:www.youtube.com/fundacaoitausocial


http://www.gestaoeducacional.com.br/index.php/especiais/gestao-ensino-publico/781-tutoria-para-gestores-coordenadores-e-professores

6 filmes nacionais para trabalhar na sala de aula

Especialista em audiovisual e educação faz a indicação de obras do cinema nacional que podem ser usadas na escola
http://porvir.org/porfazer/6-filmes-nacionais-para-trabalhar-na-sala-de-aula/20140729

Congresso Nacional prorroga por 60 dias a suspensão das aulas

  VERSÃO CERTIFICADA     DIÁRIO COMPLETO     IMPRESSÃO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Publicado em:  28/05/2020   |  Edição:  101   |  Seção: 1   |...