quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Seduc inova com matrícula de Creche pela internet

Seduc inova com matrícula de Creche pela internet

Em 2014 a Creche Escola Estadual Maria Eunice Duarte de Barros, localizada no Centro Político Administrativo (CPA), em Cuiabá, ofertará vagas em apenas duas turmas e a solicitação será somente pela internet. A oferta será para crianças que tenha 02 anos de idade completos até 31 de março (categoria creche I). Por sua vez, a unidade Nasla Joaquim Aschar, instalada na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (CPA), não disponibilizará vagas a novos alunos para o ano letivo de 2014.
As solicitações das novas matrículas disponíveis na Maria Eunice serão feitas somente via web, no site da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), entre os dias 10 a 14 de janeiro. De acordo com a coordenadora de Planejamento e Monitoramento da Gestão Escolar da Seduc, Alcimária Ataídes da Costa, com a solicitação online “não há necessidade de pais ou responsáveis pelas crianças montarem acampamento em frente a unidade de ensino”, afirmou.
Conforme a portaria 429/2013 da Seduc, publicada nesta sexta-feira (29.11) no Diário Oficial do Estado (OGE), cada uma das duas turmas disponíveis contaram com 10 a 15 alunos. Alcimária reforça que a oferta será apenas para crianças da categoria creche I. Não haverá vagas nas categorias creche II, pré I e II, para alunos com 03, 04 e 05 anos, respectivamente.
Solicitação
Para efetuar a solicitação de matrícula os interessados deverão acessar o endereçowww.seduc.mt.gov.br e clicar no link de solicitação que estará disponível a partir do dia 10 de janeiro. Ao realizarem o pedido deverão imprimir a solicitação, que conterá o período para entrega das cópias de documentos dos alunos na unidade de ensino, para efetivação da matrícula.
Os documentos necessários são: cópias da certidão de nascimento, do cartão de vacina atualizado, uma foto 3x4 recente, cópias dos documentos pessoais do pai, da mãe ou do responsável (RG e CPF), comprovantes de residência dos mesmos (conta de água, luz ou telefone), e tipo sanguíneo e fator RH.
Segundo a coordenadora, aqueles que não entregarem as cópias da documentação no prazo estipulado perderão o agendamento da vaga. As vagas que não forem preenchidas serão novamente disponibilizadas no site da Seduc.
*atualizada
Confira Portaria abaixo

VOLNEY ALBANO
Assessoria/Seduc-MT

Brasil teve 'grande avanço' no Pisa, afirma Mercadante

FLÁVIA FOREQUE
DE BRASÍLIA

O ministro Aloizio Mercadante (Educação) fez um balanço positivo da evolução do Brasil no Pisa, especialmente na área de matemática. A prova, organizada pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que reúne países industrializados) é a principal avaliação internacional da educação básica.
"A nossa fotografia ainda não é boa e não temos que nos acomodar com isso. Porém, o nosso filme é muito bom. Quando olhamos o filme, somos o primeiro da sala", disse Mercadante na manhã desta terça-feira (3), em coletiva de imprensa.
Em matemática, o Brasil registrou uma pontuação de 391 em matemática. Segundo o relatório sobre o desempenho brasileiro no Pisa, o país foi aquele que registrou maior salto, desde 2003, na performance em matemática - a área foi o foco da prova aplicada em 2012.Naquele ano, a pontuação dos estudantes brasileiros foi de 356.
Editoria de Arte/Folhapress
Em matemática, o topo do ranking é ocupado por Xangai, com 613 pontos (119 acima da média dos países analisados).

Continue lendo: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2013/12/1380024-brasil-teve-grande-avanco-no-pisa-afirma-mercadante.shtml

Pesquisa constata a falta de diálogo entre escolas e outros agentes de cultura

Rio de Janeiro - O acesso à cultura está muito distante da realidade de professores e alunos no Brasil. Essa é uma das conclusões da pesquisa feita pelo ministério da Cultura (MinC) junto com a Casa da Arte de Educar, entidade criada para desenvolver atividades com educadores e profissionais de educação das favelas para educação integral, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e pesquisas em educação. 
O estudo mostra, ainda, que as escolas e outros equipamentos culturais precisam de apoio técnico e financeiro para integrar um sistema de educação mais completo. A pesquisadora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora da pesquisa, Sueli de Lima, disse que a falta de apoio constante ainda provoca fragilidade nas escolas, apesar das muitas experiências de diálogo entre elas e os agentes de cultura. Para a especialista, o levanto revela que as práticas de programas culturais são muito instáveis. “Não há condições de se efetivarem. As escolas não conseguem contar com museus, bibliotecas, organizações sociais e iniciativas diversas como suas parceiras, porque ora tem apoio ora não tem. Então a escola ano após ano de trabalho precisa ter diálogo efetivo”, ressaltou.
Na avaliação de Sueli de Lima, existe, atualmente, no Brasil, uma rede escolar e o Ministério da Educação (MEC) funciona com as escolas e com as universidades. Ela pondera, no entanto, que é preciso pensar que educação não é só entre escola e universidade, existem os museus, as bibliotecas e as organizações sociais que também são entidades educativas que têm experiências significativas no país. “A principal questão que a pesquisa traz é que essas práticas são frágeis, precisam de políticas públicas para realmente se efetivar e a gente possa pensar em um sistema articulado de educação onde não se está falando apenas em escola”, analisou.
A pesquisadora destacou ainda que há professores que atuam nas escolas, em aulas de matérias específicas, e muitas vezes não percebem que são agentes de cultura, quando na verdade deveriam encarar o desafio de articular o saber universal com o individual de cada aluno. “Nós, professores, temos o desafio de construir esse diálogo e compreendermos a cultura com a qual estamos trabalhando seja onde for, no agreste, no centro urbano. As diferenças de cultura existem, mas todos nós temos experiências de cultura. O desafio é conduzir os professores a pensar que a cultura não é só produto de cultura e nem, muito menos, só o currículo que ele tem que ensinar”, acrescentou. 
Para fazer a pesquisa, o MinC ouviu 1.664 pessoas envolvidas com educação, em 26 estados. Os encontros reuniram, além de professores, representantes de museus, de bibliotecas, de pontos de cultura, educadores, estudantes, artistas e lideranças comunitárias. A intenção foi apurar as condições em que se desenvolvem as práticas educativas nas escolas, em museus, nas organizações não governamentais e nas bibliotecas, entre outros locais educativos, com o objetivo de definir propostas para orientar as políticas da cultura ligadas à educação. 
O trabalho resultou em relatório do Plano Articulado para Cultura e Educação, em parceria com o MEC e o Instituto Lidas e está disponível no sitehttp://www.artedeeducar.org.br/blog/2013/09/30/relatorio-2013-pesquisa-a....
Sueli de Lima espera que o trabalho não se perca nas gavetas e seja analisado para avançar nas ações de diálogo para a construção de um sistema integrado de cultura no país. “Foi uma bela mobilização. Nós conseguimos a presença de oito etnias indígenas, de quilombolas, de ciganos, professores de universidade, diretores de escolas, estudantes do ensino fundamental e médio, e isso em todas as regiões do país. Sem dúvida é um retrato da potência que tem a área de cultura do país”, disse.

Edição: Aécio Amado
http://www.ebc.com.br/educacao/2013/11/pesquisa-constata-a-falta-de-dialogo-entre-escolas-e-outros-agentes-de-cultura

Questionários da ANA devem ser preenchidos até 15 de dezembro

Diretores e professores de turmas do terceiro ano do ensino fundamental em escolas públicas de todo o país têm prazo até 15 de dezembro para preencher e enviar on-line os questionários contextuais da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA). Os professores, cadastrados pelos diretores das instituições de ensino, recebem por mensagem eletrônica o login e a senha de acesso aos formulários.
As respostas ao questionário permitirão ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) obter informações sobre as condições de infraestrutura, formação docente, gestão da unidade escolar e organização do trabalho pedagógico, dentre outras.
A ANA compõe o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), cujas provas foram aplicadas entre os dias 11 e 21 últimos a aproximadamente 7,6 milhões de estudantes. Desse total, 2,6 milhões, em 55 mil escolas, fizeram provas de leitura e escrita e de matemática da ANA, que avaliaram estudantes matriculados no terceiro ano do ensino fundamental em escolas públicas das zonas urbana e rural organizadas no regime de nove anos. As provas foram aplicadas em todas as turmas regulares e a uma amostra de turmas multisseriadas.

Ministro decide por desobrigar Governo de MT a destinar 35% do orçamento à Educação

Airton Marques O governador Mauro Mendes (DEM) conseguiu, no Supremo Tribunal Federal (STF), suspender artigo da Constituição Estadual q...