segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Professores de Várzea Grande (MT) paralisam atividades por reajuste

Pollyana AraújoDo G1 MT

Professores de 64 escolas da rede municipal de ensino de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, entraram em greve nesta segunda-feira (17). Eles reivindicam a reestruturação do Plano de Cargo, Carreira e Salários (PCCS) e revisão salarial. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Várzea Grande (Sintep-VG), o salário pago atualmente pelo município não está amparado por lei. A secretaria de Comunicação do município informou ao G1que a prefeitura ainda não irá se manifestar sobre a greve. 
"O piso não foi pago em 2013 e nem em 2014. O piso hoje é de R$ 906, mas deveria ser de R$ 1.060,00, que todo mês impacta em 16% a menos no salário do profissional. Temos que corrigir isso", cobrou o presidente do sindicato da categoria, Gilmar Soares. Ele reclama que um professor do município vai receber quase a metade do que um profissional do estado, a partir do próximo mêsm quando o salário do professor da rede estadual deve subir de R$ 1.568,00 para R$ 1.750,00.
Das 80 unidades do município, entre creches e escolas localizadas na zona rural, 64 entraram em greve nesta segunda. Porém, conforme o sindicato, profissionais de outras unidades podem aderir à paralisação. Por isso, ao final desta segunda-feira, deve ser feito um levantamento para verificar quantas não tiveram aulas. Com isso, mais da metade dos 23 mil alunos da rede devem ficar sem aula. A greve foi deflagrada por tempo indeterminado.
 Além disso, a categoria cobra a reestruturação do PCCS e o pagamento de férias e a concessão de licença-prêmio. 
No ano passado, os profissionais também entraram em greve com a alegação de que a prefeitura não teria cumprido os acordos assinados nas paralisações anteriores. Depois de 16 dias de paralisação, eles retomaram as atividades após reunião com o prefeito da cidade, Wallace Guimarães, e o secretário de Educação do município, Jonas da Silva.
http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2014/02/professores-de-varzea-grande-mt-paralisam-atividades-por-reajuste.html

Olimpíada de Matemática vai premiar 6,5 mil estudantes, além de professores e escolas

O lançamento oficial da décima edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) ocorreu nesta sexta-feira, 14, no Rio de Janeiro. Na cerimônia foi exibido um depoimento gravado pelo ministro da Educação, Henrique Paim, ressaltando a importância do evento na melhoria da qualidade da educação brasileira. 

“Esse evento mobiliza o conjunto dos estudantes para se prepararem mais. A médio e longo prazo isso ajudará o Brasil a avançar ainda mais”, afirmou Paim em seu depoimento. O ministro ainda lembrou que no último Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), o Brasil foi o país que mais avançou em matemática. 

As inscrições para a décima edição da Obmep tiveram início na segunda, dia 10, e se estendem até 21 de março. Podem participar escolas públicas municipais, estaduais e federais com matrícula de estudantes do sexto ao nono ano do ensino fundamental e das três séries do ensino médio.

A olimpíada tem duas etapas de provas. A primeira, com 20 questões objetivas de múltipla escolha, será aplicada por professores, na própria escola, em 27 de maio. Do desempenho dessa fase, a Obmep seleciona cerca de 5% dos estudantes, por escola, com melhor pontuação que vão participar da segunda etapa, que acontecerá em 13 de setembro. A divulgação dos vencedores será em 1º de dezembro.

A Obmep vai premiar 6,5 mil estudantes, sendo 500 com medalhas de ouro, 1,5 mil com medalhas de prata e 4,5 mil, de bronze. Além de medalhas, os 6,5 mil estudantes serão convidados a participar do Programa de Iniciação Científica Júnior, em 2015. A premiação compreende, ainda, a distribuição de até 46,2 mil menções honrosas. Professores, escolas e secretarias de educação com alunos vencedores também receberão prêmios.

Histórico – Realizada desde 2005, a Obmep é um projeto de estímulo ao estudo da matemática voltado para as escolas públicas, estudantes e professores de todo o país. Para incentivar a participação, produz e distribui material didático, oferece bolsas de iniciação científica aos estudantes e reconhecimento aos educadores, escolas e secretarias de educação. A Obmep também prepara, a cada ano, cerca de 30 medalhistas de ouro para competições internacionais.

Promovida pelos ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia e Inovação, a Obmep é realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), com o apoio Sociedade Brasileira de Matemática (SBM). Em 2013, a olimpíada contou com a participação de 47.144 escolas públicas da educação básica e de 18,7 milhões de alunos; 99,3% dos municípios tiveram escolas participantes.

Confira o regulamento, a ficha de inscrição, o calendário, a distribuição de medalhas e demais informações na página da Obmep 2014 

Assessoria de Comunicação Social
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=20237

PNE: Semana de Participação Popular

Na semana de 17 a 21 de fevereiro de 2014, quando deveria acontecer a Conae (Conferência Nacional de Educação), evento cancelado arbitrariamente pelo MEC a menos de um mês de sua realização, educadores de todo o Brasil farão mobilizações para discutir a questão da participação popular nas políticas educacionais. Chamada de “Semana da Participação Popular na educação: reflexão sobre os fóruns, conferências e planos decenais”, a mobilização foi proposta pelo Comitê Diretivo da Campanha Nacional pelo Direito à Educação em manifestação pública dirigida à comunidade educacional em 3 de fevereiro.
Em eventos variados puxados por comitês locais da Campanha e seus parceiros em várias partes do Brasil, o objetivo é discutir o cancelamento da Conae em fevereiro por decisão do MEC, o adiamento para novembro deliberado pelo Fórum Nacional de Educação, os reflexos dessas medidas, debater o papel da Conae e do FNE e, enfim, discutir as versões de PNE da Câmara e do Senado. No dia 19/2, quarta-feira, representantes de entidades nacionais da área ocuparão gabinetes, plenários e comissões do Congresso Nacional para defender a aprovação do PNE (Plano Nacional de Educação) segundo o texto da Câmara dos Deputados, com as devidas melhorias.
Confira abaixo alguns eventos e atividades já confirmados e acompanhe as nossas redes sociais para saber as iniciativas que também serão organizadas pelos outros estados. Participe e divulgue!
Recife (17/02): O Comitê Pernambucano da Campanha vai realizar uma reunião seguida de coletiva de imprensa. O evento será realizado no Centro de Cultura Luiz Freire, às 10h, em Recife.
São Paulo (20/02): Na capital paulistana, o Comitê São Paulo da Campanha convocou um ato público que será realizado na quinta, 20/2, a partir das 17h, no vão livre do Masp.
Belo Horizonte (21/02): Na data em que ocorreria o encerramento da CONAE 2014, o Comitê Mineiro da Campanha, juntamente com a Plenária do Fórum de Educação de Jovens e Adultos da Região Metropolitana de Belo Horizonte, vai promover um evento na Faculdade de Educação da UFMG, no auditório Luiz Pompeu, das 18:30 às 22 horas.
Rio de Janeiro (02/02): Na capital carioca, o Comitê Rio de Janeiro da Campanha se antecipou e no domingo, 2/2, realizou um ato nas areias de Copacabana, em repúdio ao cancelamento/adiamento da Conae.
Autor: Campanha Nacional pelo Direito à Educação
http://undime.org.br/semana-de-participacao-popular/

Obrigatoriedade de Professor de Educação Física desde as séries iniciais

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) aprovou, nesta terça-feira (11), projeto de lei prevendo que o ensino de educação física em todas as etapas da educação básica seja feito exclusivamente por professores licenciados na área. Com origem na Câmara dos Deputados, o PLC 116/2013 sugere prazo de cinco anos, a partir da vigência da lei, para que estados e municípios implantem a medida.
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) flexibiliza o requisito na educação infantil e nas quatro primeiras séries do ensino fundamental. Nessas etapas, tanto o professor de educação quanto os das demais disciplinas podem ter formação de nível médio.
— Devido a essa abertura, é comum que professores sem qualificação específica assumam a responsabilidade pela prática do componente curricular nessa fase da educação básica, colocando em risco a saúde física e cognitiva dos discentes — destacou o relatório lido pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ), com recomendação favorável.
Para o relator, a adoção da exigência do profissional também para as séries iniciais é justificável em razão da relevância da formação motora na primeira infância (zero a seis anos) e da necessidade de o processo ser conduzido por profissionais com qualificação específica.
Dúvidas
Acompanhando a reunião, profissionais de educação física e dirigentes de suas entidades festejaram a aprovação da matéria, que agora seguirá a Plenário, para decisão final. No entanto, alguns senadores mostraram dúvidas sobre a aplicabilidade da proposta. A preocupação é a de que municípios em lugares mais remotos não consigam contar com graduados em educaçãofísica para ocupar os novos postos exclusivos.
Primeira a levantar a questão, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) lembrou, por exemplo, que na Amazônia tem sido difícil implantar o Programa Segundo Tempo, que oferece atividades de educação física para jovens no turno oposto ao que estudam. O problema seria exatamente a falta de profissionais de educação física, uma das exigências. Também fez correlação com o Mais Médico, lembrando que esse programa foi criado para superar a carência de médicos nos locais mais distantes.
— Agora, não é por conta disso que a gente deve condenar o projeto, mas também não devemos botar em lei algo que não vai se aplicar a todos os municípios – argumentou a senadora.
Vanessa indicou que não formalizaria pedido de vista da matéria — o que automaticamente levaria a decisão para a próxima semana — pois daria a ideia de que ela tivesse posição contrária. Mas apelou para um diálogo com os profissionais e até com o Ministério da Educação para uma readequação do texto. Com ou sem acordo, observou, o projeto retornaria à pauta na semana seguinte.
Leia mais:
http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2014/02/11/projeto-que-exige-professor-de-educacao-fisica-no-ensino-basico-vai-a-plenario

43º Concurso Internacional de Redação de Cartas

O Concurso Internacional de Redação de Cartas para Jovens é promovido anualmente pela União Postal Universal (UPU ), sediada em Berna, Suíça, com o objetivo de desenvolver a habilidade de composição dos jovens; contribuir para o estreitamento das relações de amizade internacionais e aprimorar a comunicação por meio da escrita. Participam estudantes com até 15 anos de idade, previamente selecionados nas etapas nacionais.
Os Correios participam voluntariamente, pois o concurso está alinhado a um dos Objetivos do Milênio, que é “Educação Básica de Qualidade para Todos”, da Organização das Nações Unidas (ONU). Para os Correios, além do incentivo à educação, o concurso deve promover o incentivo à leitura e à produção textual.
No Brasil, este concurso é desenvolvido em três fases: escolar, estadual e nacional. A participação se dá por meio das escolas (rede pública e privada), que selecionam, entre as redações de seus alunos, as duas melhores cartas para representá-las.
Na fase estadual são premiadas as três melhores redações de cada estado e na fase nacional é escolhida apenas uma carta, que irá representar o Brasil na fase internacional.
43º. Concurso Internacional de Redação de Cartas 2014
Tire suas dúvidas
Anos anteriores

Piso salarial de professores da educação básica para 2020: R$ 2.886,24

Dyelle Menezes, do Portal MEC O piso salarial dos profissionais da rede pública da educação básica em início de carreira foi reajustado...