domingo, 4 de agosto de 2013

Educação: muita teoria e pouca prática formam os professores

"Não dá para formar um professor só lendo Piaget."
A frase é do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, em alusão à carga teórica dos cursos que formam docentes para a escola básica, como a literatura de Jean Piaget, pensador do século 20.

(...)

Um dos mais amplos estudos no país sobre currículos das licenciaturas foi feito recentemente pelas fundações Victor Civita e Carlos Chagas.
O trabalho apontou que nos cursos de licenciatura do país que formam professores de português e de ciências, a carga horária voltada à docência fica em 10%.
Já o tempo destinado aos conhecimentos específicos das áreas passa dos 50%.
"Os professores chegam às escolas com bom conhecimento da sua disciplina, mas não sabem como ensinar", disse à Folha o secretário estadual de Educação de São Paulo, Herman Voorwald.

leia mais:
http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2013/08/1321237-formacao-do-professor-tem-muita-teoria-e-pouca-pratica.shtml

Investimento em educação


Formação de professores em todas as etapas do ensino básico, avaliação para o ensino fundamental, oferta de cursos para o ensino técnico e criação de objetos educacionais, como jogos e plataformas de aprendizagem, para o fundamental 2. Quem quiser lançar uma empresa de educação voltada para a base da pirâmide e com impacto social ou investir em negócios sociais de educação, pode ir em frente: há, no mercado brasileiro, muita demanda para determinados produtos ou serviços educacionais e, consequentemente, muitas lacunas onde empreendedores podem atuar. É o que mostra o estudoOportunidades em Educação para Negócios Voltados para a População de Baixa Renda no Brasil, divulgado hoje pelo Inspirare e pela Potencia Ventures.
http://porvir.org/porpensar/estudo-mapeia-chances-para-negocio-social-de-educacao/20130624

Alunos com deficiência visual (SP) acessam curso de inglês online

Agora, o curso Inglês Online está disponível para alunos da rede estadual que possuem algum tipo de deficiência visual ou auditiva. Foi lançada, pela Secretaria da Educação, uma plataforma inédita para o curso, na qual estudantes surdos ou com deficiência auditiva e alunos cegos ou com deficiência visual podem aprender o idioma. 
Foram oferecidas quatro mil vagas para estudantes que cursam o Ensino Médio e a Educação de Jovens e Adultos (EJA) na rede estadual. A acessibilidade se dá por meio de um módulo com recursos que exploram vídeos, fotos e áudiodescrição, um recurso voltado às pessoas cegas e com baixa visão, além de legendas e janelas de Libras (língua brasileira de sinais), ferramentas direcionadas aos surdos e alunos com deficiência auditiva.

http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/alunos-com-deficiencia-visual-e-auditiva-ja-podem-acessar-curso-de-ingles-online

Ministro decide por desobrigar Governo de MT a destinar 35% do orçamento à Educação

Airton Marques O governador Mauro Mendes (DEM) conseguiu, no Supremo Tribunal Federal (STF), suspender artigo da Constituição Estadual q...