segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Câmara lança novas edições de audiolivros no dia da acessibilidade

Com a proposta de tornar seus produtos cada vez mais acessíveis a pessoas com deficiência, a Edições Câmara lançará, nesta terça-feira (2), novos títulos em audiolivro. Nessa data, a Câmara promove o Dia da Acessibilidade, com uma série de atividades para marcar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.
Os audiolivros ganharam novo projeto, agora com voz sintética, permitindo produzir mais títulos em menos tempo, além de facilitar a atualização das legislações e demais obras. A Edições Câmara buscou uma solução econômica para a instituição, utilizando uma voz e um sintetizador sem custo para a Câmara.
A ideia, explica a diretora da Edições Câmara, Heloísa Antunes, é que os audiolivros façam parte da linha de produção da editora. "A partir de agora, o público de pessoas com deficiência visual terá um acesso ampliado aos nossos títulos, já que os recursos para a produção de um audiolivro são inferiores aos de tipos ampliados e braile", destaca Heloísa.
A partir de terça, os audiolivros estarão disponíveis para download gratuito em formato "mp3" na página da Edições Câmara. Serão lançados a Constituição Federal, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, o Estatuto da Juventude e a Legislação sobre Licitações e Contratos Administrativos.
Serviço
Lançamento de novos audiolivros da Edições Câmara
Data: terça-feira (2)
Horário: 15 horas
Local: Espaço do Servidor – Anexo II da Câmara dos Deputados
http://www2.camara.gov.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/478483-CAMARA-LANCA-NOVAS-EDICOES-DE-AUDIOLIVROS-NO-DIA-DA-ACESSIBILIDADE.html

10ª OLIMPÍADA DE MATEMÁTICA: Veja a relação de todos medalhistas

Estudantes da educação básica pública de todo o país podem consultar, nesta sexta-feira, 28, a relação dos vencedores da 10ª edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). São 6.501 medalhistas, sendo 501 de ouro, 1.500 de prata e 4.500 de bronze. Além dos medalhistas, a olimpíada divulga a relação dos 42.043 alunos que serão contemplados com menções honrosas.

Veja a lista



A Olimpíada é promovida pelos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação e realizada pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBA). A esse conjunto de alunos medalhistas, do sexto ao nono anos do ensino fundamental, e dos três anos do ensino médio, que estiverem matriculados nas redes públicas em 2015, será oferecida a oportunidade de participar do Programa de Iniciação Científica Júnior (PIC).

O PIC é realizado por uma rede nacional de professores em polos distribuídos em todo o país e em fórum virtual. O programa tem por objetivo despertar entre os estudantes o gosto pela matemática e pela ciência e motivá-los na escolha profissional em carreiras científicas e tecnológicas.

Dados do Impa mostram que a Obmep deste ano teve 18,1 milhões de alunos inscritos de 46.712 escolas localizadas em 5.533 municípios, o que representa 99,41% das cidades do país. Os vencedores foram selecionados em duas fases de testes, em maio e em setembro. 

Ionice Lorenzoni

portal da Obmep traz a relação dos vencedores, as escolas, os municípios e as unidades da Federação


http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=20944

Documentário: Quando o ensino público é exemplo de qualidade


Série de documentários ‘Educação.doc’ apresenta escolas que estão fazendo a diferença em suas realidades


O que é preciso para ter um ensino de qualidade? Em Heliópolis (SP), a escola Municipal Presidente Campos Salles decidiu derrubar os muros e apostar na democracia. Já na zona oeste do Rio de Janeiro, no bairro Padre Miguel, o colégio Estadual Monsenhor Miguel de Santa Maria Mochón inovou suas aulas, criando projetos que deixam o currículo mais atrativo. Mas o que há de comum entre essas duas experiências? Além de mostrarem que é possível alcançar resultados surpreendentes em territórios com dificuldades socioeconômicas, elas integram a série de documentários “Educação.doc”, produzida pelos cineastas Luiz Bolognesi e Laís Bodanzky.
Dividida em cinco episódios, a série percorre oito escolas brasileiras para mostrar histórias de quem está fazendo a diferença no ensino público, apresentando experiências realizadas nos estados do Piauí, Ceará, Bahia, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. Com depoimentos de alunos, professores e diversos especialistas, o documentário traz uma série de discussões sobre a qualidade da educação, redução da evasão escolar, integração da escola com a comunidade e a valorização de professores.
EducaçãoReprodução

Entre os entrevistados, estão nomes como Viviane Senna e Mozart Neves Ramos (Instituto Ayrton Senna), Beatriz Bontempi (Instituto Avisa Lá), Giovana Zen (Instituto Chapada de Educação e Pesquisa), a filósofa Viviane Mosé e a pesquisadora Paula Louzano, doutora em política educacional pela Universidade Harvard (EUA).
Segundo a cineasta Laís Bodanzky, a intenção do documentário é pautar a sociedade para mostrar que é possível fazer diferente. “A escola dos meus pais e dos meus avós já não é mais a mesma escola de hoje. Antes a informação toda estava na escola. Hoje em dia você já não precisa mais da escola como a única fonte”, afirmou ao Instituto Ayrton Senna, durante o Fórum Internacional de Políticas Públicas.
‘A escola dos meus pais e dos meus avós já não é mais a mesma escola de hoje. Antes a informação toda estava na escola. Hoje em dia você já não precisa mais da escola como a única fonte’
No primeiro episódio, o documentário conta a experiência realizada na Chapada Diamantina, no interior da Bahia, onde a qualidade do ensino melhorou em 20 municípios da região. O segundo vídeo da série percorre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro para mostrar o trabalho realizado em duas escolas que se abriram para a comunidade e passaram a atrair o interesse dos alunos. Na terceira etapa da série, são apresentadas escolas em Cocal dos Alves(PI), Sobral(CE) e Foz do Iguaçu(PR), onde os resultados educacionais chamam a atenção, seja pelo acúmulo de medalhas em olimpíadas de química e matemática, ou por terem conseguido zerar a evasão escolar.
Mais adiante, no quarto episódio, os espectadores conhecem a experiência do Colégio Estadual Monsenhor Miguel de Santa Maria Mochón, que tem encontrado propostas para tornar o currículo mais atrativo. Por fim, a série encerra com uma discussão sobre como será a escola do futuro, convidando professores, alunos, diretores e pensadores a darem a sua opinião sobre o modelo de ensino que gostariam de ter daqui a 50 anos.
“A educação que se espera para o futuro é uma educação que consiga fornecer conhecimento e potencial de reflexão”, defendeu o cineasta Luiz Bolognesi durante o fórum. De acordo com ele, a escola que se abre para ouvir o lugar em que está inserida tem mais chances de acertar, pois apresenta mais conexão com a realidade.
Os episódios da série “Educação.doc” podem ser assistidos no canal da Buriti Filmes, no YouTube (clique aqui para ver). 
http://porvir.org/porfazer/quando-ensino-publico-e-exemplo-de-qualidade/20141128

Ministro decide por desobrigar Governo de MT a destinar 35% do orçamento à Educação

Airton Marques O governador Mauro Mendes (DEM) conseguiu, no Supremo Tribunal Federal (STF), suspender artigo da Constituição Estadual q...