terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Seduc e MEC lançam Pacto pelo fortalecimento do Ensino Médio

“O Pacto é o governo fazendo o dever de casa. Ele é fundamental e tem que ser implantado sem perda de tempo para transpor o fosso em que está o Ensino Médio”, destacou a secretária de Estado de Educação, Rosa Neide Sandes de Almeida, durante o lançamento estadual do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e abertura do I Seminário de Formação Continuada para professores do Ensino Médio, nesta segunda-feira (16.12), no Hotel Fazenda Mato Grosso, em Cuiabá.
Foto: Tiago Machado / Seduc-MT
Conforme Rosa Neide, o país tem uma dívida com a modalidade que ao longo da história foi relegada. “A educação no Brasil começou de cima para baixo. Primeiro se criaram as universidades para depois pensaram na Educação Básica anos iniciais. E ao longo da história o Ensino Médio ficou esquecido”, disse.
O secretário de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Romeu Welinton Caputo, que esteve em Cuiabá para ‘o ponta pé’ oficial do Pacto no Estado, informou que todo o país participa do evento. Segundo ele, o olhar para o Ensino Médio é recente e se dá efetivamente com a garantia de recursos financeiros para a modalidade. “A criação do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) é de 2007, antes disso era o Fundef que destinava recursos apenas para o Ensino Fundamental”, relembra.
Política Integrada
Caputo parabenizou o Estado por ser referência em diferentes aspectos da educação, principalmente nas políticas integradas entre as três esferas de governo (federal, estadual e municipais). Caputo abriu o I Seminário de Formação Continuada, uma das ações do Pacto, que acontecerá até amanhã (17), na capital.
A formação continuada se dará com os 9.871 profissionais das 436 unidades que ofertam o Ensino Médio. A capacitação será durante três horas semanais - entre 2014/2015 - em duas fases; a primeira com abordagem de temas gerais e a segunda focada nas áreas de conhecimento. O material didático utilizado é virtual, acessado por meio de tablets fornecidos pelo MEC para todos os educadores que participarão da formação.
Os professores receberão ainda uma bolsa de R$ 200,00 e serão orientados por educadores da própria escola, capacitados por formadores dos Centros de Formação e Atualização de Professores (Cefapros) que foram formados por profissionais das Universidades (Federal e Estadual) seguindo as orientações da Comissão Estadual do Pacto (Seduc/UFMT/MEC).
“Esse será um processo de mão dupla em que os professores da Educação Básica serão atualizados e as Universidades poderão incorporar às licenciaturas as práticas vivenciadas nas Escolas”, citou Caputo.
Estiveram presentes representantes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, Câmara Municipal, Assessores Pedagógicos, e formadores dos Cefapros.

ROSELI RIECHELMANN
Assessoria/Seduc-MT
http://www.seduc.mt.gov.br/conteudo.php?sid=20&cid=14013&parent=20

Capes abre pré-inscrições para cursos do Parfor

Estão abertas, até 13 de janeiro de 2014, as pré-inscrições para concorrer às vagas dos cursos de licenciatura, na modalidade presencial do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor). Os cursos ofertados pelas instituições de ensino superior (IES) são inteiramente gratuitos.
Para 2014, serão ofertadas 37.816 mil vagas em diversos cursos de licenciatura pelas IES parceiras da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Para saber os dados da oferta de 2014 e fazer a pré-inscrição no curso desejado é necessário acessar a Plataforma Freire.
A comprovação do exercício da docência é verificada no ato da pré-inscrição, assim, os professores, para realizar suas pré-inscrições, devem estar cadastrados no Educacenso na função "Docente" ou "Tradutor Intérprete de Libras".
Validação
As pré-inscrições deverão ser validadas na Plataforma Freire pelas secretarias de educação estadual ou municipal a qual o professor está vinculado, no período de 14 de janeiro a 28 de fevereiro de 2014. É importante ressaltar que a pré-inscrição e a validação não garantem a matrícula do professor. A realização da matrícula depende de aprovação em processo seletivo definido pela IES e do atendimento às regras do programa para a formação das turmas.
Parfor
O Parfor oferece turmas especiais em cursos de primeira licenciatura, para docentes em exercício na rede pública de educação básica que não tenham formação superior ou que, mesmo tendo esta formação, queiram realizar o curso na disciplina que atua em sala de aula e para a qual não tem a formação; segunda licenciatura, para docentes em exercício há pelo menos três anos na rede pública de educação básica e que atuam em área distinta da sua formação inicial; e formação pedagógica, para docentes graduados não licenciados que se encontram em exercício na rede pública de educação básica.
Mais informações pela Central de Atendimento (0800 616161, opção 7) ou pelo Fale Conosco, opção Educação Básica/Plataforma Freire.
(CCS/Capes)
http://www.capes.gov.br/36-noticias/6622-capes-abre-pre-inscricoes-para-cursos-do-parfor

Entenda o que propõe o texto recomendado por Eduardo Braga para o PNE

Patrícia Oliveira

O projeto que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) deve ser votado na terça-feira (17), após três anos de tramitação no Congresso, onde passou por três comissões no Senado, recebeu centenas de emendas e foi debatido em dezenas de audiências públicas. O líder do governo, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), relator da matéria em Plenário, recomendou a aprovação do substitutivo de Vital do Rêgo (PMDB-PB), que retoma grande parte do texto aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), antes de a matéria ter sido aprovada na Comisssão de Educação, Cultura e Esporte (CE), na forma do substitutivo do senador Alvaro Dias (PSDB-PR).

A emenda do senador Vital também assegura a compatibilização de programas de expansão de educação profissional e superior (inclusive na forma de incentivo e isenção fiscal); de bolsas de estudos concedidas no Brasil e no exterior; de subsídios concedidos em programas de financiamento estudantil; e do financiamento de creches, pré-escolas e de educação especial.O texto de Vital do Rêgo também inclui alguns pontos do projeto apresentado na CE no relatório do senador Alvaro Dias. Entre as mudanças promovidas pelo parlamentar tucano, e contempladas no substitutivo de Vital do Rêgo, está a referência aos balanços do setor público nacional e às contas como parâmetro para aferição das metas do PNE. Além disso, acrescenta que as informações devem ser organizadas por ente federado.
Metas e estratégias
O substitutivo mantém ainda outras alterações aprovadas na CE relativas às metas e estratégias para um período de dez anos. Parte do texto do senador Alvaro Dias foi aproveitada para garantir à população de quatro a 17 anos sistema educacional inclusivo nas escolas regulares, assegurando também o acesso ao ensino especial, com os repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).
No entanto, foi vista com “preocupação” a sugestão de ampliar o atendimento escolar para crianças de zero a três anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação.
Alfabetização
Na meta 5, a emenda de Plenário retomou redação aprovada na CCJ estabelecendo que a partir do sexto ano do PNE a alfabetização comece aos sete anos, reduzindo-se essa idade para os seis anos a partir do décimo ano de vigência do plano.
Foi mantida a estratégia original de educação em tempo integral, com previsão de permanência dos estudantes por sete horas nas escolas, com acompanhamento pedagógico, oferta de novos conteúdos, e direito à alimentação.
Foi adotada a redação proposta por Alvaro Dias, que prevê a compatibilização da jornada escolar com atividades recreativas, esportivas e culturais. Bem como outra inovação aprovada na CE: a ampliação progressiva da jornada de professores em uma única escola.
Professores
O projeto assegura aos professores formação inicial prevista na Lei de Diretrizes e Bases (Lei nº 9.394/96). Trata-se de profissionais habilitados em nível médio ou superior para lecionar na educação infantil e no ensino fundamental e médio; trabalhadores em educação com diploma em pedagogia, habilitação em administração, planejamento, supervisão, inspeção e orientação educacional, bem como com títulos de mestrado ou doutorado nas mesmas áreas; e os portadores de diploma de curso técnico ou superior em área pedagógica ou afim.
O plano ainda sugere novas estratégias para estimular a expansão da oferta de formação inicial de professores em cursos diurnos, com o suporte de bolsas de estudo e a dedicação integral dos alunos. Prevê também formato específico na formação de professores para a educação profissional, que valorize a experiência prática.
Financiamento
A proposta prevê a destinação, até o final do período de dez anos, de pelo menos 10% do produto interno bruto (PIB) para a educação. Faz referência ainda à parcela da participação no resultado ou da compensação financeira pela exploração de petróleo, gás natural e outros recursos.
Qualidade
Vital do Rêgo acrescentou, por sugestão da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), estratégia para o estabelecimento de políticas de estímulo às escolas que melhorem o desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).
O Custo Aluno-Qualidade (CAQ) foi definido como indicador prioritário para o financiamento de todas as etapas e modalidades da educação básica. Da mesma forma, a emenda propõe a criação do conceito de Custo Aluno-Qualidade Inicial (CAQi), como etapa inicial para implantação do CAQ no oitavo ano de vigência do PNE.
Meta 21
Vital Rêgo ainda acolheu em seu substitutivo sugestão do senador José Sarney (PMDB-AP) e inseriu uma nova meta, a 21, para ampliar a produção científica brasileira, assunto não tratado em nenhum dos textos anteriores. O objetivo é que o país figure no grupo dos dez maiores produtores de conhecimentos novos no mundo. A proposta dá ênfase à pesquisa, desenvolvimento e estímulo à inovação, com a formação de quatro doutores por cada mil habitantes.
Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2013/12/13/entenda-o-que-propoe-o-texto-recomendado-por-eduardo-braga-para-o-pne

Menino de 4 anos já leu quase mil livros

Do UOL, em São Paulo



Aos 4 anos, Sherwyn Sarabi tem suspreendido a todos com a sua inteligência: ele tem um QI 160, o mesmo de Albert Einstein, Bill Gates e Stephen Hawking. As informações são do jornal "Daily Mail".
O psicólogo educacional Peter Congdon, que testou o menino, disse que sua pontuação –a mais alta possível na escala Wechsler--- mostra que ele tem um "nível muito superior de inteligência".
O garoto começou a chamar a atenção dos pais, médicos e professores aos 10 meses, quando falou as primeiras palavras. Agora, aos 4 anos, Sherwyn tem uma idade mental de 8 anos e 9 meses.
"Sherwyn tem um nível muito superior de inteligência, ele é incrivelmente talentoso e seu vocabulário é fora deste mundo", disse o psicólogo, que é especialista em crianças superdotadas. "Seu intelecto atinge os mais altos níveis possíveis e, quando ele fala, mostra habilidades sociais de uma criança muito mais velha."
A mãe de Sherwyn, Amanda Sarabi, 37, disse que o filho é uma criança saudável, muito feliz e que adora falar. "Ele questiona tudo e eu tenho feito o melhor para responder às suas perguntas".
Enquanto as crianças da sua idade ainda nem entraram na escola, Sherwyn estuda conteúdos recomendados para alunos de nove anos.
Sherwyn, que é filho único, já leu mais de 940 livros e, segundo a mãe, o favorito é a enciclopédia.
http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/12/13/garoto-ingles-de-4-anos-tem-qi-comparavel-ao-de-einstein-e-bill-gates.htm

Professores brasileiros farão cursos de formação em Portugal

Em janeiro e fevereiro do próximo ano, 168 professores das redes públicas da educação básica que lecionam física, química, matemática, pedagogia e língua portuguesa participam em Portugal de cursos de desenvolvimento profissional. Os selecionados pelo Programa de Desenvolvimento Profissional para Professores em Portugal (PDPP) vão estudar nas universidades de Aveiro e do Porto. Eles foram escolhidos de acordo como o Edital nº 74/2013, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

O envio de profissionais que atuam nas redes públicas para cursos em Portugal atende uma série de objetivos do governo federal, entre os quais a valorização do magistério, a vivência com educadores de outro país, estímulo ao uso de tecnologias educacionais, troca de experiências. A seleção compreende educadores matriculados em cursos do Plano Nacional de Formação de Professores (Parfor) e bolsistas supervisores do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), ambos da Capes.

A distribuição dos professores contempla as cinco regiões do país. As áreas com maior número de selecionados são química e física. Dos 43 educadores que lecionam física, metade fará a formação na Universidade de Aveiro, no período de 13 a 24 de janeiro, e metade na Universidade do Porto, de 13 a 31 de janeiro. Os 50 selecionados de química também se dividem entre as duas instituições: a formação em Aveiro será de 3 a 19 de fevereiro; e no Porto, de 13 a 31 de janeiro. A Universidade de Aveiro também recebe os 25 professores de matemática, no período de 29 de janeiro a 21 de fevereiro; e os 25 de pedagogia, de 13 a 27 de janeiro. Professores de língua portuguesa vão receber formação na Universidade do Porto, de 13 a 31 de janeiro.

Apoio – Todos os custos de viagem e dos estudos em Portugal serão de responsabilidade do governo federal: passagens aéreas nacional e internacional, despesas de deslocamento da residência ao aeroporto no Brasil e dos trajetos em Portugal, alojamento, alimentação, ajuda de custo no valor de 250 euros e seguro saúde no valor de 90 euros.

Ionice Lorenzoni

Confira a relação dos selecionados por disciplina e as instituições de ensino superior onde fazem a formação pelo Parfor

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=19316:professores-brasileiros-farao-cursos-de-formacao-em-portugal&catid=222&Itemid=86

Ministro decide por desobrigar Governo de MT a destinar 35% do orçamento à Educação

Airton Marques O governador Mauro Mendes (DEM) conseguiu, no Supremo Tribunal Federal (STF), suspender artigo da Constituição Estadual q...