sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Primeiro aluno surdo de medicina sonha proporcionar atendimento mais autônomo aos deficientes

Setembro Azul celebra o mês dos surdos, que buscam uma sociedade mais inclusiva e preparada na Língua Brasileira de Sinais
Luciano Marques, do Portal MEC
Uma pessoa surda só consegue ir ao médico com um acompanhante ouvinte. Isso quer dizer que uma mãe sem audição precisa do filho ou do marido, por exemplo, para ir ao ginecologista. Diminuir essa barreira e realizar um atendimento mais inclusivo é o sonho de Gilson Batista Sousa Júnior, 22 anos, o primeiro surdo a cursar medicina na Universidade Federal de Goiás (UFG).
Gilson, que ficou surdo aos dois anos após uma meningite, é o tipo de pessoa que sonha e não aponta dificuldades. “Durante toda minha vida eu fiz consulta médica junto a minha mãe, pois eu precisava de alguém para resumir o que o médico falava”, conta o estudante.
O jovem relata que quase todos os surdos vão ao médico acompanhado de pais, responsáveis, parentes ou intérpretes de Língua Brasileira de Sinais (Libras). “Meu sonho é mudar isso. Quero ser um médico surdo para que pacientes com deficiência auditiva possam ser atendidos com maior autonomia”, espera o futuro profissional.
Mas não é só para atender surdos que Gilson se dedica à medicina. “É claro que também vou atender ouvintes. Mais do que isso: torço para que um dia tenhamos médicos fluentes em língua de sinais. Esses profissionais poderiam atender cerca de dez milhões de pessoas em todo o país”, acredita.
Gilson é apenas um dos cerca de 9,8 milhões brasileiros surdos que celebram o Setembro Azul, segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O mês dos surdos, como é conhecido o movimento, tem o objetivo de buscar uma sociedade com menos preconceito e mais inclusão. O Dia Nacional do Surdo é comemorado dia 26 de setembro para lembrar que mais de 5% da população brasileira possui deficiência auditiva. A data foi escolhida em razão da inauguração, em 1857, da primeira escola para surdos do país, o Instituto Nacional de Educação de Surdo (Ines).
O ensino bilíngue é considerado um recurso importante para que a criança surda avance na aprendizagem e na socialização. De acordo com a diretora de Políticas de Educação Bilíngue de Surdos do Ministério da Educação, Karin Strobel, antes das escolas bilíngues os surdos não eram educados. “Por isso, a criação do Ines é uma data tão significativa. De lá para cá, a educação dos surdos foi repensada”, ressalta.
A diretora tem mais de trinta anos de experiência como professora de surdos e é doutora na área de educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Ela pertence à Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação (Semesp) do Ministério da Educação (MEC).
A docente alerta que a única diferença entre um surdo e um ouvinte é a barreira linguística. “Uma pessoa com deficiência que convive em meios onde a maioria das pessoas não sabe a língua de sinais tem muita dificuldade. A primeira língua dele deve ser Libras e a segunda seria a Língua Portuguesa”, diz.
Enem acessível – Medicina não é a primeira experiência de Gilson no ensino superior. Ele já é graduado em Ciência da Computação, que cursou em uma universidade particular. Para ingressar na Federal de Goiás, este ano, o futuro médico fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com o auxílio de um intérprete.
O Enem tem hoje 15 recursos diferentes de acessibilidade para que as pessoas com deficiência realizem as provas com comodidade. Os surdos que têm a linguagem de Libras como primeira língua podem, desde 2017, realizar a vídeoprova traduzida na linguagem brasileira de sinais.
Para a edição deste ano do Enem, 1.991 candidatos solicitaram atendimento especializado para surdos. Outros 1.211 pediram o auxílio de um tradutor-intérprete de Libras.
A vice-diretora da faculdade de letras da UFG, Claudinei Oliveira, destaca o grande número de surdos em turmas de Letras/Libras na universidade. “São quatro turmas de Letras/Libras Licenciatura, com um total de 42 alunos. Nos outros cursos, além do Gilson em Medicina, temos um aluno na Matemática e o outro cursando Sistema de Informação”, destaca.
“Hoje, a UFG tem 15 intérpretes com três tipos de contratação. Estamos elaborando a criação de uma central, uma coordenação de intérpretes. A acessibilidade do Enem vai gerar uma maior demanda. Todas as universidades, na verdade, devem se preparar para isso”, afirma a vice-diretora.
Mais escolas – Até os cinco anos de idade, o hoje estudante de medicina teve a comunicação dentro de casa realizada apenas por sinais simples e leitura labial. Foi aos cinco anos, quando estudou em uma escola bilíngue em Taguatinga, região administrativa do Distrito Federal, que ele conheceu a linguagem de Libras.
A batalha para estudar deu um passo atrás anos depois quando se mudou para Goiânia. “Foi um momento muito difícil. Fui matriculado em uma escola regular e como eu era o único aluno surdo, tinha de contar com intérprete. Isso só foi possível porque minha família lutou pelo meu direito ao intérprete, junto ao Ministério Público”, conta o jovem.
Segundo a diretora do MEC, Karin Strobel, para que a educação de surdos não seja tardia, o MEC trabalha por mais escolas bilíngues e de qualidade. “Nos últimos anos, muitas escolas receberam surdos sem estarem preparadas para recebê-los. E como não havia profissionais preparados, a inclusão acabou se tornando uma exclusão para a comunidade surda. A preocupação agora é com a formatação dessas escolas, como o tipo de sala, material didático e formação de profissionais”, explica.
Ainda de acordo com a diretora, a comunidade ouvinte é essencial para a educação dos surdos. “O surdo não deve ser olhado como um coitado, um deficiente. Ele deve ser tratado como uma pessoa que tem uma diferença linguística. Se estamos falando de bilinguismo, estamos tratando de Libras, a primeira língua, e de Língua Portuguesa, uma segunda língua”, afirma.
http://portal.mec.gov.br/

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Divulgação dos resultados por escola depende de 80% da participação dos estudantes por etapa avaliada

Representantes das secretarias de educação estaduais e do Distrito Federal, bem como os indicados pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) de cada estado participam da 1ª Reunião de Interlocutores das Avaliações da Educação Básica 2019. A articuladora do encontro é a Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb) do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que sedia a reunião nesta quinta e sexta-feira, 26 e 27 de setembro.
Os interlocutores são os parceiros estaduais do Inep na disseminação das informações sobre as avaliações da educação básica. Diante das novidades e das alterações aplicadas no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) para a edição de 2019, que já se encontra em fase de resposta aos questionários pelos gestores educacionais, os interlocutores auxiliarão o Inep no processo de divulgação das informações em suas respectivas unidades federativas. Na 1ª Reunião de Interlocutores, pesquisadores e coordenadores do Instituto detalham a Portaria nº 366, de 29 de abril, que estabelece as diretrizes para a realização do Saeb em 2019.
Saeb por escola - Um dos objetivos do encontro é chamar a atenção dos representantes locais para a importância da taxa de participação de, pelo menos, 80% dos estudantes matriculados, por etapa avaliada, nos testes aplicados pelo Inep. Só assim, cada escola poderá conhecer o resultado obtido por seu estabelecimento de ensino na série avaliada. Caso a escola não atinja a taxa, os resultados serão contabilizados para o cálculo estadual, mas não poderão ser disponibilizados de maneira individualizada. É importante destacar que a taxa de participação é calculada com base nos dados declarados por cada escola no Censo Escolar da Educação Básica.
Inovações 2019 - Este é o primeiro ano de aplicação de questionários eletrônicos para diretores de escolas e secretários de educação. 80 mil destinatários já receberam os e-mails com os links dos formulários, incluindo os gestores dos estabelecimentos de educação infantil, que participam da coleta de forma amostral e inédita. Outra novidade é a aplicação de provas de ciências humanas e ciências da natureza para alguns estudantes do 9º ano, além da avaliação da alfabetização para alunos do 2º ano do ensino fundamental.
Ações Internacionais - Os pesquisadores e coordenadores do Inep farão uma explanação sobre as avaliações internacionais. O Inep é o responsável pela aplicação e divulgação de resultados do Estudo Regional Comparativo e Explicativo (Erce), do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) e do Progress in International Reading Literacy Study (Pirls). O Brasil aderiu ao Pirls neste ano, que avalia as capacidades de leitura e compreensão de textos para estudantes do 4º ano do ensino fundamental.
Saeb – O período de aplicação das provas do Saeb será compreendido entre 21 de outubro e 1º de novembro de 2019. As avaliações de língua portuguesa e matemática serão para todos os estudantes de 5º e 9º anos do ensino fundamental e de 3ª e 4ª séries do ensino médio das escolas públicas. Para preservar a comparabilidade e a série histórica do Saeb, o conteúdo será baseado na matriz vigente. Uma amostra de estudantes do 9º ano de escolas públicas e privadas fará os testes de ciências da natureza e ciências humanas com referência na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada em 2017. A BNCC também será a referência para a avaliação inédita dos alunos do 2º ano do ensino fundamental, selecionados, de forma amostral, entre escolas públicas e privadas.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Candidatos do concurso da Educação devem conferir locais de provas

Mais de 52 mil inscritos estarão concorrendo a 2002 vagas em 23 cargos de níveis médio e superior

O cartão de Confirmação de Inscrição (CCI) do Concurso Público da Secretaria Municipal de Educação, contendo o local, a sala e o horário de realização das provas objetivas e discursivas estará disponível somente através do site do Instituto Selecon www.selecon.org.br, a partir das 19h desta quarta-feira (11).  Mais de 52 mil candidatos se inscreveram e concorrem a 2.002 vagas. As provas objetivas e discursivas, primeira e segunda etapas do Concurso Público acontecem no próximo domingo, 15 de setembro, para os cargos de níveis médio, superior e de professor de Educação Básica.
A Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Educação, alerta os candidatos para que confiram com antecedência os locais de realização das provas.
No domingo, a duração das provas será de 04h30 (quatro horas e trinta minutos), incluídos o tempo para leitura das instruções, coleta de digitais e preenchimento do Cartão de Respostas e do Caderno de Respostas.
As provas serão realizadas, para os cargos de nível superior no período da manhã (com início às 8h) e, para os cargos de nível médio, no período da tarde (com início às 15h).
Os candidatos devem comparecer ao local designado para realização das provas com uma hora de antecedência do início das provas, conforme o edital, munidos de caneta esferográfica de tinta preta ou azul não porosa, de material transparente, do Cartão de Confirmação de inscrição (CCI) e de original de documento oficial de identidade, contendo fotografia e assinatura.
CONCURSO
O certame vai preencher 2.002 vagas de forma imediata, além de formar cadastro de reserva. As vagas são para os níveis médio, médio técnico e superior, com remunerações que vão de R$ 1.198,96 a R$ 3.567,59 mensais.
Para o nível médio, as vagas são para Técnico em Administração Escolar, Técnico em Manutenção de Infraestrutura (Motorista CNH “D” e Serviços Gerais), Técnico em Multimeios Didáticos (TMD) e Técnico em Nutrição Escolar (TNE). Já para o nível médio técnico, o cargo é Técnico em Desenvolvimento Infantil (TDI).
Para o nível superior as vagas são para Professor do ensino fundamental nas áreas de: Pedagogia; Artes; Educação Física; Letras/Língua Inglesa, Administrador, Arquiteto, Assistente Social, Bacharel em Direito, Ciência da Computação, Contador, Engenheiro (Civil, Eletricista, Sanitário/Ambientalista) Fonoaudiólogo, Nutricionista, Psicólogo e Gestor Público.
O concurso será composto por provas Objetivas e Discursivas, previstas para o dia 15 de setembro, e Análise de Títulos e Avaliação Prática (esta última, somente para alguns cargos). O resultado final está previsto para ser divulgado no dia 29 de novembro, para cargos sem avaliação prática, e no dia 30 de dezembro, para cargos com avaliação prática.
O concurso terá validade de dois anos, podendo ser prorrogado por igual período.
SERVIÇO
Concurso da Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá
Informações: Serviço de Atendimento ao Candidato - (SAC): 0800 799 9905 ou (65) 3653 0131 – (21) 2532-9638, (21) 2215-2131, somente em dias úteis, das 9h às 17h.
Posto de Informações Selecon: Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 1856 - sala 403 – Jardim Aclimação - Cuiabá-MT, somente em dias úteis, das 9h às 12h e das 13h às 17h.
Endereço Eletrônico Selecon: www.selecon.org.br

http://www.cuiaba.mt.gov.br/educacao/

Congresso Nacional prorroga por 60 dias a suspensão das aulas

  VERSÃO CERTIFICADA     DIÁRIO COMPLETO     IMPRESSÃO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Publicado em:  28/05/2020   |  Edição:  101   |  Seção: 1   |...